Resistência da tuberculose preocupa OMS

Autoridades de saúde disseram nesta quinta-feira que estão vendo o que parece ser um aumento perturbador nas infecções de tuberculose ao redor do mundo que são resistentes aos dois tipos de antibiótico utilizados contra a doença. "É basicamente uma sentença de morte. Se os dois tipos de antibióticos não estão funcionando e nós não temos na reserva um medicamento novo para uso imediato, isso é uma crise", disse Marcos Espinale, secretário executivo da Parceria Acabe com a Tuberculose da Organização Mundial de Saúde (OMS). O Centro de Prevenção e Controle de Doenças (CDC) e a OMS pesquisaram uma rede de 25 laboratórios de tuberculose em seis continentes de 200 a 2004 e descobriram que um em cada 50 casos da doença ao redor do mundo é resistente não apenas à primeira escolha usual de tratamento, como também a muitos medicamentos que representam uma outra linha de defesa. "Esses são indivíduos que são virtualmente intratáveis com os medicamentos disponíveis", disse Kenneth Castro do CDC. A pesquisa analisou 17.690 casos de tuberculose quanto a suscetibilidade aos medicamentos. Desses, 20% possuem resistência a um dos tipos de medicamento, e 2% são resistentes aos dois tipos. O problema foi pior na Letônia, onde os cuidados com a saúde pública diminuíram depois do colapso da União Soviética. Os médicos acreditam que a tuberculose desenvolve resistência aos medicamentos porque alguns pacientes param o tratamento antes de completar o ciclo completo de medicação. Henry Blumberg, professor da escola de Medicina da Universidade Emory, disse que as descobertas são preliminares e que o problema pode ser maior do que os números indicam. Alguns medicamentos em processo de desenvolvimento podem se tornar tratamentos eficientes contra as formas difíceis de tuberculose. Mas os fundos do CDC para o controle e pesquisa da tuberculose não acompanharam o crescimento da doença na década passada, disse Blumberg.

Agencia Estado,

24 de março de 2006 | 09h13

Tudo o que sabemos sobre:
notícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.