Restrição ao cigarro reduz internações hospitalares, diz estudo

Foram analisados estudos internacionais que descreviam proibições legislativas ao fumo

estadao.com.br

15 Abril 2010 | 14h48

Uma revisão de 50 estudos internacionais sobre os efeitos da proibição do fumo em locais públicos indica que esse tipo de medida reduz a exposição ao fumo passivo e as internações hospitalares por problemas cardíacos. O trabalho, encabeçado pela pesquisadora Joanne E. Callinan, do Centro de Saúde Milford, na Irlanda, foi realizado para a Cochrane Colaboration, uma organização sem fins lucrativos de levantamento de informações médicas.

 

Exame genético pode detectar fumantes com alto risco de câncer

 

"Houve evidência consistente da redução de internações hospitalares por eventos cardíacos, bem como a melhoria de alguns indicadores de saúde" após a proibição do fumo, escrevem os autores num resumo do trabalho.

 

Foram analisados estudos que descreviam proibições legislativas ao fumo, e que tivessem um período de acompanhamento de pelo menos seis meses das mudanças nos comportamentos relativos ao tabaco.

 

Os pesquisadores não encontraram variações expressivas no fumo passivo dentro de automóveis ou em residências, mas "evidência consistente" de queda no fumo passivo em locais de trabalho, restaurantes, bares e áreas públicas.

 

Os autores concluem que a imposição de leis proibindo o fumo leva a uma redução da exposição ao fumo passivo. A população mais beneficiada, segundo o levantamento, foram os funcionários da indústria da hospitalidade, como hotéis e restaurantes.

 

Há pouca evidência do impacto dessas medidas no fumo ativo, mas a tendência, diz o trabalho, é de queda. Os autores também notam que o apoio popular às proibições cresce depois que são implementadas.

Mais conteúdo sobre:
tabacocigarrotabagismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.