Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Liam McBurney/Reuters
Liam McBurney/Reuters

Resultados da vacina da Pfizer com BioNTech são publicados em revista científica

Editorial da 'New England Journal of Medicine' chamou imunizante contra covid-19 de 'triunfo', mas citou falta de informações sobre eficiência em casos assintomáticos

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de dezembro de 2020 | 12h56

Os resultados dos ensaios clínicas da vacina contra a covid-19 desenvolvida em parceria pela Pfizer e a BioNTech foram publicados na quinta-feira, 9, na revista científica New England Journal of Medicine, a principal publicação médica dos Estados Unidos. 

Os fabricantes já haviam divulgado o resultado em 18 de novembro. A nova publicação confirma que os vacinados tiveram um risco 95% menor de contrair o novo coronavírus. A eficácia foi semelhante entre pessoas de diferentes origens étnicas, gêneros, idades, peso e com presença de patologias. 

Os resultados também confirmam a segurança do imunizante. Entre os principais efeitos adversos relatados, estão dor no local da injeção, cansaço e dor de cabeça. Nenhum problema de saúde grave foi constatado durante o ensaio clínico, que envolveu 44 mil pessoas, divididas igualmente entre as que receberam a vacina e o placebo.

A publicação em revista científica é uma forma de validar os resultados, que precisam passar pela análise de um comitê científico independente. No editorial, a publicação destaca o “trunfo” do imunizante, embora cite “problemas menores” nos dados, especialmente em relação ao desconhecimento da capacidade da vacina em prevenir as formas assintomáticas da doença. “Os resultados do ensaio são impressionantes o suficiente para serem válidos em qualquer análise. É um triunfo”, diz o texto.

Nesta semana, os resultados começaram a ser avaliados pela Agência de Alimentos e Medicamentos (FDA, na sigla em inglês),  agência regulatória de medicamentos e alimentos norte-americana. Além disso, o imunizante começou a ser aplicado na população do Reino Unido./AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.