Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Dado Ruvic/Reuters
Dado Ruvic/Reuters

Resultados de testes de vacina da Pfizer em bebês devem sair até setembro

Imunizante já tem autorização para uso em jovens com 16 anos ou mais; fabricantes já pediram aval de uso para adolescentes de 12 a 15 anos nos EUA

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2021 | 22h54

A BioNTech afirmou que espera ter resultados até setembro dos ensaios que testam a vacina contra a covid-19, desenvolvida com a Pfizer, em bebês de apenas seis meses de idade, segundo a revista alemã Der Spiegel. O imunizante da farmacêutica americana começará a ser aplicado nos próximos dias no Brasil, que recebeu um milhão de doses do produto nesta quinta-feira, 29. 

"Em julho, os primeiros resultados poderão estar disponíveis para crianças de cinco a doze anos, em setembro para crianças mais novas", disse o presidente-executivo da BioNTech, Ugur Sahin, à Spiegel. Ele acrescentou que leva cerca de quatro a seis semanas para avaliar os dados. 

“Se tudo correr bem, assim que os dados forem avaliados, poderemos apresentar o pedido de aprovação da vacina para todas as crianças da respectiva faixa etária em diferentes países”, afirmou.

A BioNTech e a Pfizer solicitaram aos reguladores dos EUA, neste mês, aprovação do uso emergencial da vacina para adolescentes de 12 a 15 anos. Sahin, citado pela Spiegel, disse que a empresa estava "nos estágios finais antes de ser submetida" aos reguladores europeus para crianças de 12 anos ou mais.

Um ensaio publicado no final de março concluiu que a vacina contra a Covid-19 das empresas era segura, eficaz e produz respostas robustas de anticorpos em adolescentes. A vacina dupla da Pfizer/BioNTech já está autorizada para uso em pessoas com 16 anos ou mais. Os jovens são menos propensos a sofrer de casos graves da covid-19 e mais propensos a ter infecção assintomática, permitindo-lhes transmitir inconscientemente o vírus a outras pessoas. /COM AGÊNCIAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.