USDA/Divulgação
USDA/Divulgação

Ribeirão Preto decreta emergência por avanço da dengue

Cidade do interior é a primeira do Estado a entrar em emergência, em 2015, em razão da incidência do mosquito 'Aedes aegypti'

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

07 Janeiro 2016 | 04h30

SOROCABA - A prefeita de Ribeirão Preto, Dárcy Vera (PSD), decretou estado de emergência na cidade do interior de São Paulo, em razão do avanço da dengue. O município também registra dois casos positivos de zika vírus. O decreto foi publicado no Diário Oficial nesta quarta-feira, 6. A cidade é a primeira do Estado a entrar em emergência, em 2015, em razão da incidência do mosquito Aedes aegypti.

A declaração leva em conta que os casos de dengue triplicaram de outubro para novembro e continuam em aumento progressivo. Nesta primeira semana de janeiro, o laboratório municipal vem realizando 120 exames por dia, com taxa de positividade de 50%, o que dá 60 novos casos diários. "Esses números indicam que já estamos em epidemia, o que será confirmado no boletim de 15 de janeiro", disse o secretário municipal de Saúde, Stenio Miranda.

Segundo ele, em dezembro foram confirmados cerca de 400 casos, acima do limite de 300 por 100 mil habitantes para se considerar epidemia. De acordo com o secretário, a cidade possui ainda dois casos de zika vírus confirmados por exame nos meses de maio e junho de 2015. "Estamos com um caso de microcefalia que está em investigação de possível correlação com o zika", disse.

A Secretaria da Saúde montou um plano municipal de contingência, com a previsão de ações para combater o mosquito transmissor. A prefeita Dárcy Vera anunciou medidas que serão aplicadas nos próximos dias, levando em conta o cenário epidêmico, como a contratação de mais agentes de endemias, médicos, enfermeiros e técnicos para atender as pessoas atingidas pela doença. Em cada imóvel municipal, três servidores ficarão incumbidos de manter o ambiente livre de criadouros.

A prefeitura vai recorrer à Justiça para ter acesso a imóveis fechados ou quando houver recusa para a entrada dos agentes. "É necessário que a população entenda a gravidade da situação e comecemos uma verdadeira guerra de combate ao mosquito Aedes aegypti", disse. Dárcy vai se reunir com prefeitos de 25 cidades da região para discutir ações conjuntas contra o Aedes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.