Prefeitura de Ribeirão Preto/Divulgação
Prefeitura de Ribeirão Preto/Divulgação

Com 96% de ocupação da UTI, Ribeirão Preto fecha comércio contra avanço da covid-19

'Fase emergencial restritiva' é parecida com o lockdown que vigorou de 17 a 21 de março e mais rigorosa que as medidas atuais do Plano São Paulo

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

24 de maio de 2021 | 19h53

SOROCABA - A prefeitura de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, anunciou nesta quinta-feira, 24, o fechamento de supermercados e a suspensão do transporte coletivo no período que vai da zero hora de quinta-feira, 27, até a próxima segunda, 31. A chamada "fase emergencial restritiva" é parecida com o lockdown que vigorou de 17 a 21 de março e mais rigorosa que as medidas do Plano São Paulo, do governo estadual. Ribeirão Preto é a oitava cidade da região norte do Estado a adotar medidas mais rigorosas para tentar conter o novo avanço da covid-19.

Nesta segunda, a taxa de ocupação de leitos de UTI era de 96%, com 299 pacientes internados - restavam nove vagas em toda a rede. O número de mortes este ano igualou os 1.043 óbitos de todo o ano passado. Para o prefeito Duarte Nogueira (PSDB), está havendo uma nova aceleração na pandemia. "As medidas são necessárias para que possamos fazer o gerenciamento da pandemia em nossa cidade, de maneira a salvaguardar a oferta de saúde para quem precisa", disse.

Diferente do lockdown de março, agências bancárias, postos de combustível, construção e indústrias poderão funcionar. Desta vez, ficam proibidos também eventos esportivos, a abertura de shoppings e comércio em geral, academias e salões de beleza, missas e cultos presenciais, reunião de pessoas ao ar livre, parques e oficinas mecânicas. No último dia de maio, as medidas serão reavaliadas.

Outras cidades

Em Altinópolis, o prefeito José Roberto Marques (PSD) publicou decreto nesta segunda-feira proibindo o atendimento presencial em supermercados, restaurantes, bares, lojas e bancos. O transporte público está suspenso, assim como cultos e missas. A cidade entra em toque de recolher de 8 da noite as 5 da manhã - a multa é de um salário mínimo. A venda de bebidas alcoólicas está proibida. A medida vigora da zero hora desta terça-feira, 25, até 31 de maio. A taxa de ocupação de leitos de UTI na região chegou a 92%.

Medidas semelhantes, incluindo o toque de recolher, já vigoram em Batatais, Viradouro, Taiúva e Colômbia. Em Franca, onde também vigoram medidas mais restritivas que as do plano estadual, a prefeitura pode decretar lockdown a partir de quinta-feira, 27, se as taxas de ocupação hospitalar não regredirem. Em Bebedouro, a partir desta segunda, serviços considerados essenciais, como supermercados, padarias, mercearias e açougues não podem abrir para o público. Até o dia 30, o atendimento será apenas por delivery e drive-thru.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.