Luis Acosta/AFP
Luis Acosta/AFP

Rio autoriza que grávidas vacinadas com AstraZeneca recebam segunda dose da Pfizer

Gestantes devem solicitar um atestado ao obstetra; intervalo entre as doses é de 12 semanas

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

29 de junho de 2021 | 09h20

RIO - A Prefeitura do Rio autorizou que mulheres grávidas que tomaram a primeira dose da vacina contra a covid-19 da AstraZeneca recebam a segunda dose do imunizante produzido pela Pfizer. O anúncio foi feito na manhã desta terça-feira, 29, pelo secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz.

"Seguindo a recomendação do nosso comitê: as gestantes que tomaram a primeira dose da vacina AstraZeneca poderão, mediante avaliação dos riscos e benefícios com seus médicos, realizar a segunda dose com a vacina da Pfizer 12 semanas após a primeira dose", escreveu Soranz em sua conta no Twitter.

Assim, gestantes que receberam a primeira dose do imunizante da AstraZeneca devem consultar seus obstetras e solicitar um atestado autorizando o uso da Pfizer. É preciso, ainda, respeitar o intervalo de três meses entre a primeira e a segunda doses.

Na postagem no Twitter, o secretário incluiu gráficos de nove países que, segundo ele, recomendam o uso da vacina da Pfizer como segunda dose para gestantes que se vacinaram inicialmente com a AstraZeneca. São eles: Alemanha, Canadá, Coreia do Sul, Chile, Dinamarca, França, Finlândia, Noruega, Portugal e Suécia. Além desses, Espanha, Emirados Árabes, Inglaterra e Itália autorizam esse uso.

Soranz também incluiu uma tabela com quatro estudos clínicos de diferentes instituições de Espanha e Alemanha que demonstram que o uso de doses dos dois laboratórios diferentes aumenta a eficácia das vacinas. Coreia do Sul e Reino Unido também fizeram esses estudos - o país asiático não divulgou os resultados, mas autorizou o uso para mais de 700 mil pessoas, enquanto a pesquisa britânica apontou reação localizada "levemente maior", ao contrário do que sugerem os estudos espanhol e alemão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.