Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Rio de Janeiro suspende aplicação de primeira dose da vacina contra covid

Vacinação só deverá ser retomada quando a Prefeitura receber mais doses do Ministério da Saúde. O prefeito Eduardo Paes reclamou da demora do governo. Os postos de vacinação continuarão oferecendo as segundas doses já programadas

Roberta Jansen, RIO DE JANEIRO

24 de julho de 2021 | 14h33

RIO - A vacinação da primeira dose do imunizante contra a covid-19 está suspensa e só deverá ser retomada quando a Prefeitura do Rio de Janeiro receber mais doses do Ministério da Saúde. O prefeito Eduardo Paes reclamou da demora do governo. Os postos de vacinação continuarão oferecendo as segundas doses já programadas.

“Por já ter aplicado todas as vacinas destinadas à primeira dose contra a covid-19 e para garantir estoque para as segundas doses programadas, o município do Rio suspenderá momentaneamente seu calendário de vacinação de primeira dose a partir de hoje, 23. A vacinação será retomada assim que o Ministério da Saúde enviar nova remessa de vacinas”, informou a Prefeitura, em nota.

Em entrevista à TV Globo, o secretário municipal de saúde, Daniel Soranz, afirmou que, na semana passada, a remessa de vacinas já tinha atrasado.

"Na semana passada já teve o atraso nessa entrega, infelizmente até o momento a gente não tem previsão de quando ele vai entregar as doses que ele já recebeu", disse. "A gente espera que aconteça o mais breve possível, ainda esse final de semana, porque nada justifica 7,5 milhões de doses paradas e ainda essas doses não terem sido distribuídas".

Soranz disse ainda que a prefeitura trabalha "no limite" do calendário, com distribuição semanal aos postos, para dar mais celeridade à campanha.

Em uma rede social, o prefeito Eduardo Paes também reclamou do atraso nas remessas.

“Esta semana o @minsaude recebeu cerca de 7,5 milhões de doses de vacina e até o presente momento não temos notícia de quando receberemos”, escreveu. "Divulgamos nosso calendário de acordo com as chegadas informadas pelo ministério. Se não cumprirem, corremos o risco de atrasar. Não é possível que isso fique parado por um minuto que seja. O motivo é simples: quanto mais tempo demora, maior o risco de óbito. Não há nada mais importante a fazer neste momento.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.