REUTERS/Adriano Machado
REUTERS/Adriano Machado

Rio de Janeiro tem primeiros casos de transmissão local do coronavírus 

Casal contrai vírus e eleva número de casos no Estado para 15 e nível de alerta do Plano de Contingência para 1

João Ker, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2020 | 08h17

A Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro confirmou na manhã desta quinta-feira, 12, os primeiros casos de transmissão local do coronavírus, elevando para 15 o total de pessoas infectadas pela doença no Estado - 13 na capital, um em Niterói e um em Barra Mansa. Os pacientes são um homem, de 72 anos, e sua esposa, de 68. Ambos estão em isolamento domiciliar e apresentam quadro estável.

“Este sãos os primeiros casos no estado de pacientes que não estiveram em países com transmissão comunitária. Como já havia alertado, estávamos esperando que isso acontecesse em breve. No entanto, ressalto que não há motivo para pânico”, afirma o secretário de Estado de Saúde, Edmar Santos.

Com os novos casos, o Rio passa para o nível 1 do Plano de Contingência. Nele, está prevista a disponibilidade de 206 leitos exclusivos para tratamento de casos graves de pessoas infectadas em hospitais espalhados pelas diversas regiões, incluindo unidades municipais e federais, além da rede estadual. 

A medida foi estipulada pela Secretaria em janeiro e divide os pacientes em três níveis de acionamento, organizados de acordo com parâmetros epidemiológicos, como números de casos. São eles nível zero, para casos importados; nível 1, para transmissão local no estado; nível 2, para transmissão comunitária; e nível 3, quando as ações e atividades orientadas para serem realizadas no nível 2 de ativação forem insuficientes como medidas de controle e para a organização da rede de atenção na resposta. 

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Caso o Rio de Janeiro atinja o nível 3 da epidemia, a Secretaria de Estado de Saúde se comprometeu a criar um hospital de campanha e acionar as Forças Armadas, além de suspender cirurgias eletivas.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.