Ricardo Moraes/REUTERS
Ricardo Moraes/REUTERS

Rio espera vacinar 110 mil pessoas em quatro dias

Primeiro lote, que deve chegar na tarde desta segunda-feira, prevê 231 mil doses para a capital fluminense

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

18 de janeiro de 2021 | 17h10

RIO - Sem ter a certeza de como será a entrega gradual das vacinas para a cidade, a prefeitura do Rio irá começar a vacinação contra o coronavírus entre os profissionais de saúde que atuam diretamente no tratamento da covid-19 e idosos que residem em instituições de longa permanência. Num primeiro momento, ninguém deverá procurar postos em busca de vacina.

O primeiro lote, cuja previsão de chegada é para o fim da tarde desta segunda-feira, 18, prevê 231 mil doses para a capital fluminense. Dessas, 110 mil serão liberadas imediatamente pelo governo do Estado. Assim, elas serão destinadas a 34% do total de profissionais de saúde, além de idosos de dez instituições da cidade, tanto públicas quanto privadas. O processo de imunização deverá levar quatro dias. 

"Não podemos ter doses fora dos grupos prioritários", ressaltou o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz. Na sequência - mas sem conseguir informar as datas - ele disse que a expectativa é de vacinar até 2,3 milhões de cariocas até a quarta etapa de vacinação, que irá se estender pelos próximos meses.

A escolha por profissionais que atuam no grupo de frente do combate à covid e para idosos de instituições de longa permanência segue orientação do ministério da Saúde, segundo informou o prefeito Eduardo Paes.

"É importante que fique claro que está no Plano Nacional de Imunização quais são as pessoas do grupo prioritário que receberão a vacina no primeiro grupo. Eu adoraria, até por gostos pessoais, vacinar o Nelson Sargento, a Tia Surica, o Monarco, enfim, um monte de gente mais idosa que eu conheço. Mas a prioridade está naquilo que está definido no PNI", comentou Paes, citando sambistas da velha guarda. Sargento tem 96 anos de idade, Monarco tem 87 e Tia Surica, 80.

Etapas

Nessa primeira etapa, as vacinas serão enviadas a instituições de saúde e casas de repouso ou acolhimento. "Ninguém deve ir aos postos de saúde", alertou Daniel Soranz. Conforme novos lotes forem chegando, a prefeitura irá convocar os grupos prioritários para irem aos locais de vacinação. Idosos terão dias específicos da semana para fazer a imunização, dividido pela idade. Haverá alguns pontos em que a vacinaçao para os mais velhos poderá ser feita via drive-thru.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.