Rio inicia campanha de vacinação de adolescentes contra hepatite B

Meta é imunizar 450 mil jovens de 11 a 19 anos; ação será em três fases, e 1ª dose está disponível

Agência Brasil

01 Setembro 2010 | 21h41

RIO DE JANEIRO - A prefeitura do Rio de Janeiro iniciou nesta quarta-feira, 1º, uma campanha de vacinação para o combate da hepatite B, visando a imunizar jovens de 11 a 19 anos. A meta da Secretaria Municipal da Saúde e Defesa Civil é vacinar cerca de 450 mil jovens, atingindo 95% da população nessa faixa etária. A imunização ocorrerá em três fases, e a primeira dose já está disponível.

As próximas etapas estão marcadas para outubro e março de 2011. Os jovens poderão se vacinar em qualquer posto de saúde da cidade ou em postos volantes instalados em escolas e abrigos municipais.

“A expectativa é aumentar a cobertura em uma faixa etária que é muito suscetível à doença e que não teve oportunidade de se vacinar quando criança, porque a dose não estava incluída na carteira [de vacinação]. A campanha é fundamental e nós queremos chegar a 95% de cobertura dos adolescentes do Rio de Janeiro”, disse o secretário da Saúde e Defesa Civil, Hans Dohmann.

A hepatite B é uma doença viral crônica e silenciosa. Pode ser transmitida tanto por relações sexuais quanto pela utilização de objetos pessoais infectados, como seringas, escovas de dente e barbeadores. O coordenador Nacional para Prevenção e Controle das Hepatites Virais, Ricardo Gadelha, alertou que a ausência dos sintomas torna a doença ainda mais grave.

“A hepatite B é muito grave, pois pode causar cirrose, câncer de fígado e até a morte. Por ser uma doença sem sintomas, a população não procura um médico e, assim, acaba contaminando mais gente. Portanto, a melhor prevenção é a vacinação”, disse Gadelha.

O coordenador alerta que para cada caso de aids há dez de hepatite B, e a doença é cem vezes mais fácil de ser contraída que a aids. Segundo estimativa da Organização Mundial de Saúde, 2 milhões de pessoas estão infectadas com o vírus no Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.