Rio Preto recebe comitiva para avaliar ações em HIV e aids

Os técnicos do Programa Nacional de DST e Aids (PN-DST/AIDS) do Ministério da Saúde farão de 4 a 6 de setembro uma visita exploratória a São José do Rio Preto, no norte do Estado de São Paulo. Durante três dias, a comitiva avaliará as ações de enfrentamento da epidemia de aids na cidade de 406 mil habitantes. A partir dos resultados da visita, as estratégias adotadas no município poderão integrar as ações de cooperação externa do Programa Nacional. A idéia da visita surgiu das constantes demandas por informação que o PN-DST/AIDS recebe de países com os quais mantém cooperação técnica ou que vêm conhecer a resposta brasileira à epidemia. Esses países têm interesse especial nas áreas de assistência aos portadores do HIV e doentes de aids, interlocução entre sociedade civil e instâncias de governo, defesa de direitos humanos e atenção a populações específicas, como profissionais do sexo, usuários de drogas injetáveis e população carcerária. A partir daí, percebeu-se a necessidade de identificar centros de referência em algumas áreas do enfrentamento das doenças sexualmente transmissíveis e da aids, longe de grandes centros urbanos, como São Paulo e Rio de Janeiro. Do ponto de vista da capacidade instalada dos serviços de saúde, esses novos centros de referência têm uma realidade mais próxima desses países, dadas as suas características socioeconômicas. Em 2006, o Programa Nacional recebeu missões da Índia, Tailândia, Barbados, Zâmbia e Indonésia, formadas por representantes de governos e da sociedade civil. Bons resultados - O município paulista tem obtido boas respostas no enfrentamento da epidemia, sobretudo nas áreas de prevenção da infecção pelo HIV com populações confinadas, nos trabalhos de garantia dos direitos humanos e geração de renda com profissionais do sexo e na redução de danos em usuários de drogas injetáveis, em parceria com serviços especializados de saúde mental. Todo o trabalho na cidade é articulado entre a sociedade civil e o governo local, por meio da Coordenação Municipal de DST e Aids. A interlocução entre os atores sociais e o governo é bem estruturada, com papéis definidos, estabelecimento de parcerias e exercício efetivo do controle social. "A visita será importante inclusive para nós, porque precisamos de referências nessas áreas em outros centros regionais que não sejam grandes metrópoles, tendo em vista a tendência de interiorização da epidemia, observada nos últimos anos", disse o diretor-adjunto do PN-DST/AIDS, Carlos Passarelli. Durante a visita, os técnicos também irão às instalações do Centro de Ressocialização Feminino de São José do Rio Preto, uma das duas unidades prisionais do município, que têm ações de prevenção da aids desenvolvidas pelo Grupo de Amparo ao Doente de Aids (Gada). A programação inclui, ainda, reunião com o secretário municipal de Saúde, Arnaldo Almendros, visita a serviços de saúde, projetos de acompanhamento nutricional e de atividades físicas e apresentação detalhada das ações com profissionais do sexo, mulheres afrodescendentes, usuários de drogas injetáveis e população carcerária. A missão também será integrada por representantes do Centro Internacional de Cooperação Tecnológica em HIV e Aids (CICT) e do Escritório das Nações Unidas Contra Drogas e Crimes (UNODC). Com sede em Brasília, o CICT é uma parceria entre o governo brasileiro e o Programa Conjunto das Nações Unidas Sobre HIV e Aids (Unaids). Estão planejadas visitas semelhantes a outros municípios, mas os nomes e as datas ainda não foram definidos.

Agencia Estado,

04 de setembro de 2006 | 11h00

Tudo o que sabemos sobre:
notícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.