Rio tem 72% dos leitos de UTI ocupados por pacientes com coronavírus; estudo prevê colapso neste mês

Rio tem 72% dos leitos de UTI ocupados por pacientes com coronavírus; estudo prevê colapso neste mês

Professora brasileira em Harvard apontou necessidade de novos leitos serem inaugurados antes do previsto pelo governo

Caio Sartori, O Estado de S.Paulo

16 de abril de 2020 | 10h54

RIO - Enquanto os hospitais de campanha anunciados pelo governo não são inaugurados, o Rio de Janeiro começa a ligar o alerta para um eventual colapso no sistema de Saúde. Atualmente, segundo a Secretaria Estadual de Saúde, 72% dos leitos de UTI estão ocupados por pacientes diagnosticados com o coronavírus. Há dez dias, o percentual era de 63%. 

A previsão é de que os dois mil leitos - incluindo UTI e enfermaria - dos hospitais de campanha sejam inaugurados até 30 de abril. No entanto, um estudo da professora brasileira Marcia Castro, da Universidade de Harvard, prevê o colapso da rede até o dia 27 deste mês, no cenário mais otimista. No cenário mais pessimista, os leitos de UTI poderiam ser insuficientes já a partir desta sexta-feira, 17. 

A pesquisa sugere, portanto, que as unidades deveriam ser inauguradas com mais agilidade. Feito a pedido da Rede Globo, o estudo foi citado em ofício enviado nesta quarta-feira, 15, ao governador Wilson Witzel pelo deputado estadual Renan Ferreirinha (PSB). 

De acordo com a secretaria, 548 novos leitos já foram abertos no Estado para atender as vítimas. Ao todo, diz a pasta, "a SES vai disponibilizar na capital, Região Metropolitana e interior 3.414 leitos”, incluindo os 2 mil dos hospitais de campanha.

O caso dos leitos de enfermaria também preocupa. Há dez dias, a ocupação era de 41%; hoje, o número chegou a 62%. 

Além da abertura de leitos, a secretaria destaca que, para evitar o colapso, a população deve “ficar em casa e seguir as recomendações de isolamento, proteção e de higiene para controle da doença.”

Na noite desta quarta-feira, o próprio secretário de Saúde, Edmar Santos, confirmou que testou positivo para a Covid-19, assim como Witzel. Edmar, contudo, está sem sintomas. Ambos afirmaram que continuarão trabalhando de casa no combate à pandemia. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.