Robert Gomes/Seop Rio
Robert Gomes/Seop Rio

Rio tem aglomerações mesmo com fiscalização e cancelamento de desfiles no carnaval

Pontos que normalmente atraem pessoas para beber e conversar na rua, como a Rua Dias Ferreira, no Leblon, na zona sul, e a Lapa, no centro, ficaram cheios na noite de sexta-feira, 12

Vinicius Neder, RIO

13 de fevereiro de 2021 | 15h45
Atualizado 13 de fevereiro de 2021 | 16h46

Apesar da fiscalização, do cancelamento dos desfiles das escolas de samba e de blocos por causa da pandemia do novo coronavírus, o carnaval no Rio de Janeiro começou com aglomerações por toda a cidade. Pontos que normalmente atraem pessoas para beber e conversar na rua, como a Rua Dias Ferreira, no Leblon, na zona sul, e a Lapa, no centro, ficaram cheios na noite de sexta-feira, 12. Segundo a Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop), até a madrugada deste sábado, 13, foram interditados sete estabelecimentos comerciais, aplicadas nove multas e apreendidos equipamentos de som em quatro locais.

Para coibir aglomerações, um decreto municipal do Rio que passou a vigorar a partir da meia-noite de sexta-feira, 12, prevê até prisão para quem desfilar em blocos de carnaval, que estão proibidos. Quem for pego em aglomerações poderá ser enquadrado no artigo 268 do Código Penal, que trata de infração à determinação do poder público “destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa”. A pena prevista é de detenção de até um ano, além de pagamento de multa.

Desde o início da semana, a prefeitura da capital fluminense, o governo estadual do Rio e os órgãos de segurança têm alertado sobre a proibição de se fazer aglomerações. A Polícia Civil determinou à Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI) que monitore redes sociais de organizadores de festas clandestinas. As informações são repassadas para a Seop, que atua diretamente na fiscalização, em parceria com a Guarda Municipal e o Instituto de Vigilância Sanitária, e com o apoio da Polícia Militar (PM).

Mesmo com o monitoramento preventivo da internet e das redes sociais, as equipes de fiscalização tiveram trabalho. Entre a noite de sexta-feira e a madrugada deste sábado, equipes de fiscalização verificaram denúncias de eventos na Lapa, Centro, Santo Cristo, Ipanema, Gávea e Bangu, informou a Seop. Equipes da Guarda Municipal também atuaram no Leblon. Também houve fiscalização do comércio ambulante, com a apreensão de 122 itens.

No centro, um estabelecimento onde era realizado um baile de carnaval foi interditado por falta de licenciamento sanitário e multado. Também foram apreendidos cinco mesas de som e um microfone, segundo a Seop. A escola de samba Unidos da Tijuca foi multada por ausência de licenciamento e aglomeração porque um evento estava para acontecer em sua quadra no Santo Cristo, na zona portuária, na noite de sexta-feira. O local foi interditado. Também foram apreendidos equipamentos de som.

Na zona sul, uma festa realizada sem autorização no tradicional Jockey Clube, no Jardim Botânico, foi interditada. Outra festa - intitulada Carnaval 2021 - Farme Beach Lounge - foi interrompida, e o estabelecimento foi interditado “por aglomeração e falta de licenciamento” e multado, informou a Seop. Nas duas festas interditadas, equipamentos de som foram apreendidos.

No Parque União, favela do Complexo da Maré, na zona norte, pessoas se aglomeraram, até a manhã deste sábado, num show do cantor Belo, como mostraram imagens aéreas exibidas no “RJTV”, da TV Globo.

Houve incidentes também na Baixada Fluminense, na região metropolitana, na sexta-feira. A PM usou bombas de gás lacrimogêneo para dispersar um bloco clandestino em Nova Iguaçu. Em Magé, outra festa de rua foi interrompida com a chegada de PMs, mas sem incidentes.

Paes pede que população "tenha bom senso" e evite festas de carnaval

O prefeito do Rio, Eduardo Paes (DEM), voltou a pedir neste sábado, 13, que as pessoas "tenham bom senso" e não participem de aglomerações e festas clandestinas de carnaval. Até o início da madrugada, sete estabelecimentos comerciais foram interditados e equipamentos de som foram apreendidos em quatro locais no Rio. Além disso, nove multas foram aplicadas.

"Nós vamos atrás. Agora, é aquela história: se não houver o mínimo de consciência, fica difícil. Tem que ter empatia, amor ao próximo. É isso que a gente pede. Ninguém está feliz de não estar brincando o carnaval, mas é o momento em que as pessoas precisam ter bom senso", afirmou o prefeito.

"A gente vai continuar fiscalizando, vai continuar tentando impedir que isso aconteça, mas o mais importante é a conscientização das pessoas", insistiu. /COLABOROU MARCIO DOLZAN

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.