Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Rio tem menos de 30% dos respiradores necessários, afirma Witzel

Governador admite que Estado não terá condições de atender grande quantidade de pacientes

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2020 | 11h04

RIO - O Rio de Janeiro só tem 400 respiradores de um total de 1.400 que seriam necessários para enfrentar a epidemia de covid-19 no Estado. O número corresponde a apenas 28,5% da quantidade ideal. A informação foi dada pelo próprio governador, Wilson Witzel, em entrevista ao vivo na manhã desta quinta-feira, 9, ao Bom Dia Rio, da TV Globo.

Segundo Witzel, há uma escassez de respiradores no mercado mundial e, por isso, o governo não consegue comprá-los. O equipamento é essencial no tratamento dos casos mais graves da infecção pelo novo coronavirus.

“Temos 400 respiradores e isso é muito pouco, muito longe do necessário”, disse Witzel. “Por isso, é importante alertar que não vamos ter condições de atender uma quantidade muito grande de pacientes. Faço o apelo para as pessoas não irem para a rua, não se aglomerarem. A população ainda não entendeu a gravidade do problema.”

O governador explicou que está tentando comprar mais respiradores, mas não consegue. “Estes equipamentos não existem no Brasil, têm que ser importados. A grande maioria dos respiradores vem da China, que está tendo dificuldade de fornecer para o mundo todo”, disse. “Está havendo um leilão para ver quem paga mais pelos respiradores.”

Wilson Witzel contou que tentou conversar com empresas no Estado para avaliar a possibilidade de os respiradores serem produzidos aqui. No entanto, explicou, as peças necessárias para a montagem do equipamento também são importadas da China e há dificuldade para trazê-las.

“A única solução que temos hoje é conscientizar a população a ficar em casa, a obedecer as regras de isolamento social para não termos um pico muito rápido da doença”, ressaltou. “Quem está na rua está levando o risco para toda a sociedade. A morte pode brotar ao lado da sua porta, levar um parente, um avô, uma avó, uma mãe, um pai.”

O governador confirmou a entrega de 3.300 leitos hospitalares extras no Estado, em hospitais de campanha, até o fim deste mês. Sem o número necessário de respiradores, no entanto, eles podem se revelar ineficazes.

O governador lembrou que as populações das comunidades mais pobres do Rio são especialmente vulneráveis, sobretudo devido à alta incidência de outras doenças graves, como a tuberculose.  Ontem, foram registradas as primeiras seis mortes em favelas do Rio, especificamente em Rocinha (2), Vigário Geral (2), Manguinhos (1) e Complexo da Maré (1). O comércio tem funcionado nessas comunidades, onde há muita gente circulando.

 O governador afirmou que já conversou com o prefeito do Rio, Marcelo Crivella, e que os locais da cidade onde as concentrações de pessoas forem muito grandes devem ser isolados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.