REUTERS/Ricardo Moraes
REUTERS/Ricardo Moraes

Rio tem primeiro caso 'gravíssimo' do novo coronavírus; total chega a 25 no Estado

Diagnóstico foi dado a senhor de 65 anos, médico, que está internado na rede privada; ele apresentou sintomas de febre, tosse e dificuldades respiratórias no dia 11 de março

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

16 de março de 2020 | 09h42

A Secretaria de Estado do Rio confirmou na manhã desta segunda-feira, 16, o 25º caso do novo coronavírus (Covid-19) no estado do Rio de Janeiro. O paciente é um médico, de 65 anos, que está internado em estado gravíssimo em hospital da rede privada da capital. 

Já faltam leitos de UTI no sistema público de saúde e a previsão é de que o Estado registre 24 mil novos casos dentro de um mês. Na noite de domingo, o Rio de Janeiro registrou o primeiro caso grave de Covid-19. Trata-se de um senhor de mais de 65 anos, médico, que está internado na rede privada. Ele apresentou sintomas de febre, tosse, dificuldades respiratórias no dia 11 de março. Não teve histórico de viagem nos 14 dias anteriores ao início dos sintomas e também não teve contato direto com casos confirmados nem suspeitos. 

"As pessoas só devem sair de casa agora se tiverem que ir trabalhar, se não conseguirem trabalhar de casa, em home office, se forem comprar comida ou remédio, ou se tiverem que ir a um médico", afirmou o secretário, em entrevista ao Bom dia Rio, da TV Globo. "Se não tiver nenhuma dessas situações, tem que ficar em casa."

Ao fim de um domingo de sol com praias lotadas, o governador Wilson Witzel, que chegara a ameaçar a interdição da orla, adotou um tom mais brando.

"Em hipótese alguma, quero pegar uma pessoa, arrastar pelo braço e levar para casa, Não acho que será necessário isso", afirmou o governador na noite de domingo, também em entrevista à TV Globo. "O momento não é de proibir. Eu quero conscientizar o povo fluminense de que ele pode ser o portador de uma doença que vai matar o seu avô, que vai matar o seu pai. Vai haver um momento de voltar para a praia, mas esse momento agora de aglomeração de pessoas vai ser fatal para aquelas que a gente mais ama."

Tanto o secretário quanto o governador falaram sobre a falta de leito nas UTIs. A previsão do governo é que, dentro de 30 dias, haverá mais 300 leitos à disposição da população. Outros 300 estarão disponíveis em 60 dias. Parte das vagas virá de hospitais que hoje estão desativados. Santos afirmou ainda que há negociações com o setor privado para a disponibilização de outros leitos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.