Risco de aborto após inseminação artificial é maior em mulheres acima do peso

Médicos britânicos acompanharam todas as 318 mulheres de uma clínica de Londres

Associated Press

28 Junho 2010 | 13h44

Mulheres acima do peso têm um risco muito mais alto de aborto após uma fertilização in vitro, na comparação com mulheres esbeltas, diz uma nova pesquisa.

 

Exame de sangue poderá ajudar mulheres a prever a menopausa

 

Os médicos já sabiam há tempos que mulheres pesadas tendem a sofrer mais com abortos e outras complicações da gestação depois de engravidar naturalmente, mas os dados quanto a técnicas de reprodução assistida eram divergentes.

 

Médicos britânicos acompanharam todas as 318 mulheres de uma clínica de Londres que engravidaram depois de passar por fertilização in vitro de 2006 a 2009, e dividiram-nas de acordo com o Índice de Massa Corporal (IMC).

 

Mulheres com IMC de 18 a 24 foram consideradas normais. As com IMC de 25 ou mais foram consideradas como de sobrepeso, e as acima de 30, como obesas.

 

Depois de aplicar correções estatísticas para ajustar fatores que poderiam afetar os resultados - como idade, consumo de tabaco, histórico médico - os pesquisadores determinaram que as mulheres com sobrepeso ou obesas têm muito maior risco de aborto que as magras.

 

A pesquisa foi apresentada em Roma, numa reunião da Sociedade Europeia de Reprodução Humana e Embriologia.

 

Entre as mulheres de peso normal, 22% das que usaram fertilização in vitro na clínica tiveram aborto. Mas entre as mulheres de sobrepeso e obesas, o risco foi de 33%.

 

Para mulheres que conceberam naturalmente, a taxa de aborto pode variar de 4% a 23% durante o primeiro trimestre, dependendo da idade e histórico médico. Especialistas dizem que o risco para mulheres acima do peso ou obesas pode ser de três a quatro vezes maior que para mulheres de peso regular.

 

"Um dos melhores tratamentos de fertilidade é perder peso", disse o médico .Richard Grazi, diretor de infertilidade e endocrinologia reprodutiva do Centro Médico Maimonides, de Nova York, e que não tomou parte no estudo.

Mais conteúdo sobre:
fertilidadeobesidadeaborto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.