RN decreta estado de emergência por causa da microcefalia

Estado tem 79 casos da má-formação; decreto deve ser publicado nesta quinta no Diário Oficial

Anna Ruth Dantas, Especial para O Estado

02 Dezembro 2015 | 19h36

NATAL - Terceiro Estado a registrar o maior número de casos de microcefalia, chegando a 79, o Rio Grande do Norte decretou estado de emergência na saúde. O decreto do governador Robinson Faria (PSD) deverá ser publicado nesta quinta-feira, 3, no Diário Oficial

O chefe do Executivo reuniu prefeitos e gestores da Saúde na manhã dessa quarta-feira e convocou para um grande mutirão. "Todos devemos ser protagonistas no combate ao mosquito. Os prefeitos que estão aqui presentes poderão levar nossa campanha educativa para a população de suas cidades por meio  das rádios. Cada um deverá ter seu papel para fazermos essa comunicação", conclamou, acrescentando que dentre as determinações governamentais, constam a prioridade no atendimento nos hospitais do Estado às crianças nascidas com microcefalia. 

O chefe do Executivo também destacou que, junto com os outros governadores do Nordeste, vai solicitar uma audiência com a presidente Dilma Rousseff. 

O presidente da Federação dos Municípios do Rio Grande do Norte, Francisco José Júnior, disse que é necessário a união de todos para combater o problema."É necessária a mobilização e a integração de todos os segmentos estaduais e municipais, para que possamos fortalecer a prevenção. O quadro atual é de gravidade e pede a união de todos. Juntos, poderemos superar esse delicado momento", destacou José Júnior, prefeito da cidade de Mossoró, segundo maior município do Estado.

A situação no Rio Grande do Norte é tão crítica que na cidade de Caicó (distante 280 quilômetros de Natal), município apontado pelo Ministério da Saúde como sendo de alto risco para novo epidemia da dengue, uma vereadora propôs distribuição gratuita de repelente. A proposta foi de Mara Costa(PROS). Ela apresentou requerimento para que o governo do Estado distribua repelente para as gestantes.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.