AP
AP

Robô Curiosity envia primeira foto colorida de Marte

Imagem mostra horizonte rochoso e parte da cratera onde ocorreu pouso

AP,

07 de agosto de 2012 | 15h19

 O robô Curiosity enviou a primeira foto colorida e um vídeo mostrando os últimos dois minutos e meio de seu mergulho na atmosfera marciana.

A gravação começou quando a proteção térmica caiu e terminou quando o robô foi baixado por cabos até a superfície do planeta, dentro de uma antiga cratera.

A primeira foto colorida da cratera onde o Curiosity aterrissou mostrou um horizonte pedregoso e o aro da cratera Gale à distância. O robô fez a imagem com uma câmera no seu braço robótico. O horizonte aparece difuso porque a capa removível foi coberta de poeira durante a descida.

A Nasa celebrou a precisão da aterrissagem do robô e as imagens obtidas - com destaque para o mergulho na atmosfera do planeta vermelho.

O Curiosity é a peça mais pesada do maquinário enviado pela Nasa a Marte, e o sucesso aumentou a confieança da agência de que é possível descarregar equipamento que astronautas precisariam em futuras missões tripuladas.

O laboratório, do tamanho de um carro compacto, aterrissou bem n alvo após uma viagem de oito meses e 566 milhões de quilômetros.

Esforços extraordinários foram necessários para o sucesso da missão porque o robô pesa uma tonelada, e a fina atmosfera marciana oferece pouca resistência para diminuir a velocidade da nave. Curiosity teve que desacelerar de 21 mil quilômetros/hora a zero em sete minutos, usando um paraquedas e foguetes. Para finalizar, cabos baixaram o robô até a superfície do planeta.

No fim do que a Nasa chamou de 'sete minutos de terror', o veículo foi estabelecido no local previsto.

O robô ira escavar a superfície para analisar o que há ali e procurar sinais de vida em moléculas, incluindo carbono.

Ele não se moverá por algumas semanas, porque todos os sistemas terão que ser checados. Nos próximos dias, enviará mais fotos.

Tudo o que sabemos sobre:
NasaMarteCuriosityrobô

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.