Divulgação
Divulgação

Robô e exames em 3D guiam cirurgias cardíacas em hospital estadual

Primeira sala híbrida do país construída em um centro cirúrgico fica no Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia

estadao.com.br com informações da Secretaria da Saúde de SP,

16 de março de 2012 | 07h59

 A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo entregou nesta quinta-feira, 15, a primeira sala híbrida do país construída em um centro cirúrgico. O novo serviço, no Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, permite que exames feitos com imagens de alta resolução e em 3D ajudem a guiar cirurgias cardíacas complexas, incluindo as coronarianas e vasculares. Os exames e procedimentos cirúrgicos serão realizados em um único local.

Com investimento de R$ 4,5 milhões e ocupando um espaço de 130 m2, a nova sala híbrida reúne o aparato de um centro cirúrgico ao uso de um equipamento de ponta na área de diagnóstico: o Artis zeego, um robô alemão que executa até oito diferentes movimentos.

O equipamento, que pesa 3.500 kg e é composto por uma mesa cirúrgica inclinável e oito monitores, produz imagens diagnósticas sofisticadas, que proporcionam à equipe médica maior amplitude terapêutica, diminuição do grau de invasão de procedimentos cirúrgicos e maior segurança na conduta terapêutica.

Com possibilidade de realizar quase 1.000 procedimentos ao ano, o robô que compõe a sala híbrida do Dante ainda permite importar imagens diagnósticas de exames anteriores realizados pelo paciente, para ajudar na condução do procedimento.

A sala híbrida do Dante Pazzanese contará com a atuação de uma equipe multidisciplinar, composta por cinco médicos intervencionistas, dois cirurgiões, um anestesista, um especialista em tomografia, três especialistas em ecografia e um médico clínico. Entre os pacientes a serem atendidos estão idosos, portadores de doenças degenerativas e crianças cardiopatas.

"A sala híbrida é uma iniciativa pioneira na saúde pública do Estado de São Paulo, que alia o que há de mais moderno na área de tecnologia médica a uma das principais equipes de atendimento na área de cardiologia do país", afirma Giovanni Guido Cerri, secretário de Estado da Saúde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.