Filipe Araujo/AE
Filipe Araujo/AE

Roger Abdelmassih é indiciado por estupro e atentado ao pudor

Pacientes relataram às autoridades situações em que o médico as beijou a força e passou a mão em seus corpos

Fabiane Leite, de O EStado de S. Paulo,

23 Junho 2009 | 19h08

O especialista em reprodução assistida Roger Abdelmassih foi indiciado pela Polícia Civil de São Paulo na manhã desta terça-feira, 23,  por estupro e atentado violento ao pudor contra pacientes. Com indiciamento, a polícia expressa convicção de que Abdelmassih é o responsável por abusos contra pacientes.

 

Elas relataram à polícia e ao Ministério Público situações em que o médico as beijou a força e passou a mão em seus corpos durante o atendimento, entre outros atos libidinosos. Pelo menos um caso de estupro também constou da investigação. Agora, o inquérito será relatado à Justiça e encaminhado ao Ministério Público.

 

Abdelmassih chegou volta das 8h30 para prestar depoimento na 1ª Delegacia da Mulher, no centro de São Paulo, antes da abertura do atendimento ao público, e entrou calado no prédio da rua Bittencourt Rodrigues. Depois de alojado em uma sala que teve as persianas fechadas, permaneceu calado por orientação de seus advogados.

 

Segundo um de seus defensores, Adriano Vanni, o depoimento ocorreu sem que a defesa tivesse acesso a alguns depoimentos do inquérito e os advogados ingressarão com reclamação no Supremo Tribunal Federal. Em despacho proferido em março, a ministra Ellen Gracie havia decidido que especialista em fertilização assistida só deveria ser ouvido pela polícia após conhecer a identidade das mulheres, mas não poderia divulgá-las.

 

Abdelmassih deixou o a delegacia sem dar entrevistas, pelos fundos, por meio das instalações do Centro de Referência da Mulher, que dão para a movimentada rua 25 de março. Segundo seus advogados, preferiu deixar o local desta maneira porque havia imprensa no local. "O combinado era não ter imprensa", afirmou Vanni.

 

Leia a reportagem completa nesta quarta-feira em O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.