Roraima tenta determinar origem do vírus dengue 4

Universidade e Laboratório buscam determinar o genoma do novo vírus

Priscila Trindade, Central de Notícias

20 de agosto de 2010 | 15h15

Na tentativa de descobrir a origem do vírus que provoca a dengue tipo 4, o Laboratório Central de Roraima (Lacen-RR) e a Universidade Federal de Roraima (UFRR) estão sequenciando o genoma do DEN-4.  O Estado já confirmou três casos da doença e analisa nove suspeitas. De acordo com o Ministério da Saúde, o vírus não era detectado no Brasil desde 1982. Ele já circula há vários anos em dez países das Américas, incluindo o Peru, a Colômbia, o Equador e a Venezuela, que faz fronteira com Roraima. 

 

O objetivo do sequenciamento do genoma do DEN-4 é oferecer um novo recurso que oriente a equipe do Departamento Estadual de Vigilância Epidemiológica no combate à dengue. A previsão é que o resultado seja liberado em dois meses. 

 

Os quatro sorotipos virais da dengue provocam os mesmos sintomas: dores de cabeça, no corpo, nas articulações e atrás dos olhos, febre, diarreia, vômito, entre outros. O protocolo de tratamento também é o mesmo, independentemente do tipo de vírus.  O ministério fez um alerta nacional para a circulação do vírus. A população brasileira não tem imunidade contra esse sorotipo e, por isso, há risco de epidemia caso ele se disperse para outros Estados. 

 

Dengue e leptospirose em Pernambuco

 

O Estado de Pernambuco registrou, neste ano 9.210 casos de dengue clássica, confirmados após exames laboratoriais. Em 2009, foram 1.355 confirmações no mesmo período. Segundo boletim da Secretaria Estadual de Saúde (SES), o número de notificações de dengue hemorrágica também teve aumento.

 

Desde janeiro, foram registrados 277 casos suspeitos de dengue hemorrágica em Pernambuco, sendo que 53 foram confirmados. No mesmo período de 2009, entre janeiro e 19 de agosto, foram notificados 20 casos suspeitos da doença, dos quais 5 foram confirmados após exames.  Neste ano, a dengue matou três pessoas, todas moradoras do Recife.

 

Outros 45 óbitos estão sendo investigados. Em 2009, no mesmo período, não houve confirmações de óbitos causados pela doença.  

 

O último balanço da SES apontou que neste ano foram registrado 552 casos suspeitos de leptospirose no Estado, sendo que 92 já foram confirmados. No mesmo período do ano passado, 175 de um total de 526 notificações foram confirmadas. 

 

Em 2010, foram confirmados cinco óbitos provocados pela leptospirose. Os casos foram registrados em Paulista, Gravatá, Primavera, Timbaúba e Barreiros. Desses, os óbitos de Gravatá, Primavera e Barreiros - registrados entre julho e agosto deste ano - têm relação com as fortes chuvas que atingiram o Estado. No mesmo período de 2009, a secretaria contabilizou 12 óbitos de leptospirose.

 

(com Agência Brasil)

Tudo o que sabemos sobre:
dengueleptospirose

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.