Rosto descoberto na China pode ser o mais antigo do mundo

Fóssil de 419 milhões de anos tem mandíbula, narinas e cavidade ocular

O Estado de S. Paulo

30 de setembro de 2013 | 07h38

Pesquisadores chineses encontraram aquele que pode ser o rosto mais antigo do mundo. A revelação foi publicada na revista científica Nature. Cientistas localizaram na represa de Xiaoxiang um fóssil de peixe datado de 419 milhões de anos atrás, cujo rosto tem uma mandíbula, narinas e cavidade ocular, sendo uma espécie de modelo para as faces dos seres vivos que surgiriam.

O fóssil é do período Siluriano, que durou de 443 a 417 milhões de anos atrás, quando os peixes, ainda em seu estado primitivo, não tinham mandíbulas. Cientistas afirmam que a descoberta mostra uma combinação nunca vista por pesquisadores, associando a classe dos placodermos - primeiros peixes com mandíbula - com animais de estrutura óssea.

Até então, estudiosos concluíram que a classe dos placodermos havia sido extinta, mas a revelação pode significar que houve uma evolução para peixes vertebrados.

Tudo o que sabemos sobre:
naturepeixerosto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.