Rússia adia até 2017 retorno à Lua

Objetivo da missão será recolher pó lunar e abrir caminho para a volta do ser humano ao satélite, que a agência espacial russa, Roscosmos, estima para o ano de 2020

Efe,

10 de abril de 2012 | 19h16

 A Rússia anunciou nesta terça-feira, 10, que adiará até 2017 o retorno à Lua juntamente com a Índia com o lançamento da sonda "Luna Resource" que estava previsto para 2015 devido ao fracasso da missão da estação marciana "Fobos Grunt".

"Em 2015 lançaremos o módulo de pouso, em 2016 o aparelho orbital 'Luna Glob' e em 2017 o 'Luna Resource'", afirmou o diretor do Instituto de Pesquisas Espaciais da Academia de Ciências da Rússia (ACR), Lev Zelioni.

O cientista explicou que o programa espacial russo mudou sua estratégia para não cometer o mesmo erro que com o "Fobos Grunt", que não conseguiu cumprir a missão de extrair amostras do solo de uma das luas de Marte, segundo agências locais.

"O centro de atenção durante esta década será a Lua. O 'Luna Glob' é um potente aparelho com mais de cem quilos de equipamentos científicos a bordo. Estudaremos a exosfera da Lua e realizaremos estudos astrofísicos", assinalou.

Quanto à sonda "Luna Resource", consistirá em uma plataforma com equipamento de perfuração, cuja construção ficará a cargo do consórcio espacial Lávochkin.

A Índia contribuirá com o foguete e o veículo lunar "Rover", que pousará na superfície da Lua com um módulo de pouso russo.

O objetivo da missão será recolher pó lunar e abrir caminho para a volta do ser humano ao satélite, que a agência espacial russa, Roscosmos, estima para o ano de 2020, para depois construir uma estação permanente.

Ainda que a ACR e a Roscosmos estejam de acordo que repetirão em um futuro o lançamento da "Fobos Grunt", cujo fracasso ao ser colocado em órbita em novembro passado foi um duro revés para a indústria aeroespacial nacional, a Rússia dará prioridade à Lua.

Enquanto isso, Moscou se limitará a cooperar com a Agência Espacial Europeia no programa de pesquisa Exomars, que inclui o lançamento de uma sonda de de um robô motorizado.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaMarteLuamissão espacial

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.