AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Rússia enviará nave espacial para Marte em novembro

Viagem inicial, marcada para 2009, foi adiada para reduzir os riscos da missão

Efe

18 de julho de 2011 | 16h40

Moscou - A Rússia enviará em novembro para Marte a nave Fobos-Grunt, que deve instalar uma estação automática em um satélite do planeta vermelho, segundo anunciou nesta segunda-feira Víctor Jartov, desenvolvedor chefe da Associação de Produção Científica Lavochkin.

A Fobos-Grunt será transportada para a base de Baikonur em setembro para iniciar os preparativos do voo e deve ser lançada entre os dias 3 e 5 de novembro. O lançamento espacial foi adiado em setembro de 2009 para reduzir riscos e aumentar a confiabilidade da missão interplanetária.

Segundo o plano inicial, o aparelho devia partir desde Baikonur propulsado por um foguete Zenit-2SB e alcançar a órbita marciana 11 meses depois. Depois, um módulo da nave aterrissaria em Fobos, a lua marciana - que, segundo alguns cientistas, foi um asteroide capturado pela força de gravidade de Marte -, e retornaria à Terra um ano mais tarde.

Enquanto permanecer na lua marciana, o dispositivo funcionaria durante longo tempo como uma estação automática que averiguaria o espaço contíguo e o clima do planeta. Além disso, os testes deveriam servir para compreender a formação dos planetas do sistema solar.

O projeto permitiria também estudar a radiação que afeta a vida no planeta vermelho e verificar as principais tecnologias de futuras expedições a Marte, como os testes de terreno em condições de falta de gravidade, principalmente a operação de aterrissagem.

A agência espacial russa, Roscosmos, e a Agência Espacial Europeia assinaram um acordo para utilizar os centros europeus de acompanhamento para guiar a Fobos-Grunt.

A URSS foi a primeira potência a posar um módulo em solo marciano em 1971.

"Este é o primeiro projeto, no qual substâncias vivas (50 classes de microrganismos) serão levados a Marte, permanecerão ali algum tempo e retornarão à Terra", declarou Anatoli Grigoriev, vice-presidente da Academia de Ciências da Rússia.

Tudo o que sabemos sobre:
RoscosmosMarteespaço

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.