Rússia enviará nave espacial para Marte em novembro

Viagem inicial, marcada para 2009, foi adiada para reduzir os riscos da missão

Efe

18 Julho 2011 | 16h40

Moscou - A Rússia enviará em novembro para Marte a nave Fobos-Grunt, que deve instalar uma estação automática em um satélite do planeta vermelho, segundo anunciou nesta segunda-feira Víctor Jartov, desenvolvedor chefe da Associação de Produção Científica Lavochkin.

A Fobos-Grunt será transportada para a base de Baikonur em setembro para iniciar os preparativos do voo e deve ser lançada entre os dias 3 e 5 de novembro. O lançamento espacial foi adiado em setembro de 2009 para reduzir riscos e aumentar a confiabilidade da missão interplanetária.

Segundo o plano inicial, o aparelho devia partir desde Baikonur propulsado por um foguete Zenit-2SB e alcançar a órbita marciana 11 meses depois. Depois, um módulo da nave aterrissaria em Fobos, a lua marciana - que, segundo alguns cientistas, foi um asteroide capturado pela força de gravidade de Marte -, e retornaria à Terra um ano mais tarde.

Enquanto permanecer na lua marciana, o dispositivo funcionaria durante longo tempo como uma estação automática que averiguaria o espaço contíguo e o clima do planeta. Além disso, os testes deveriam servir para compreender a formação dos planetas do sistema solar.

O projeto permitiria também estudar a radiação que afeta a vida no planeta vermelho e verificar as principais tecnologias de futuras expedições a Marte, como os testes de terreno em condições de falta de gravidade, principalmente a operação de aterrissagem.

A agência espacial russa, Roscosmos, e a Agência Espacial Europeia assinaram um acordo para utilizar os centros europeus de acompanhamento para guiar a Fobos-Grunt.

A URSS foi a primeira potência a posar um módulo em solo marciano em 1971.

"Este é o primeiro projeto, no qual substâncias vivas (50 classes de microrganismos) serão levados a Marte, permanecerão ali algum tempo e retornarão à Terra", declarou Anatoli Grigoriev, vice-presidente da Academia de Ciências da Rússia.

Mais conteúdo sobre:
RoscosmosMarteespaço

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.