Divulgação
Divulgação

Rússia propõe ampliar estadia de astronautas em estação espacial

Proposta da agência russa tem objetivo de aumentar contribuição ao desenvolvimento da ciência

Efe,

13 de março de 2012 | 14h10

 A agência espacial russa, Roscosmos, propôs nesta terça-feira, 13, que a estadia dos astronautas na Estação Espacial Internacional (ISS) seja ampliada de seis para nove meses, com o objetivo de aumentar sua contribuição ao desenvolvimento da ciência.

"Devemos garantir que na ISS seja praticada não só a ciência básica, mas também a aplicada. Para que em 2020 possamos dizer: sim, podemos voar mais e mais longe", afirmou o chefe do programa de voos tripulados da Roscosmos, Alexei Krasnov, citado pelas agências russas.

Por esse motivo, Krasnov disse que está se discutindo a ampliação das missões à estação espacial, "de seis para nove meses, e depois para um ano".

O funcionário assegurou que a Roscosmos propôs a medida para a Nasa em recente reunião realizada no Canadá.

"Não acho que as missões ampliadas possam ser feitas antes de 2014 e 2015", reconheceu Krasnov, que também assegurou que a Rússia é partidária de prolongar a vida útil da ISS até 2028.

Em princípios de 2010 os chefes das agências espaciais que participam do projeto decidiram que a estação permanecerá em órbita até 2020.

Estava previsto que a ISS fecharia suas portas em 2015, mas a Rússia e outros 15 países insistiram na importância de prolongar sua vida útil, em grande parte porque sua construção ainda não foi concluída.

Os primeiros astronautas chegaram na estação em 2 de novembro de 2000, por isso a ISS já superou o recorde estabelecido pela estação russa MIR de 9 anos e 257 dias com presença humana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.