Reuters
Reuters

Rússia quer aumentar sua participação no programa espacial

Governo russo tem o quarto maior orçamento direcionado para o programa espacial

Reuters,

08 Abril 2011 | 15h39

A Rússia vai impulsionar seus esforços para a exploração do sistema solar e procura por uma participação maior no mercado de lançamentos espaciais na próxima década, disse o primeiro-ministro Vladmir Putin.

Veja também:

blog ESA lança homenagema a Gagarin

link Nave tripulada Soyuz 'Gagarin' se acopla à ISS

Às vésperas do aniversário de 50 anos da viagem pioneira de Yuri Gagarin, Putin disse que os planos russos vão além do transporte de pessoas para a Estação Espacial Internacional (ISS).

"A Rússia não deveria se limitar ao papel de transportador espacial internacional. Precisamos aumentar nossa presença no mercado global voltado ao espaço", disse.

O orçamento russo para a área no biênio 2010-2011 é de cerca de US$ 7, 09 bilhões, que de acordo com Putin é o quarto maior orçamento para o programa espacial do mundo, perdendo apenas para a Agência Espacial Americana (Nasa), a Agência Espacial Europeia (ESA) e a França. "Tantos recursos nos permite estabelecer grande metas", disse Putin.

Putin disse que a Rússia é responsável por 40% dos lançamentos espaciais e quer aumentar a participação para 50% no futuro próximo no que ele diz ser um mercado de US$ 200 milhões.

A Rússia, que tem usado o Cosmódromo de Baikonur no Casaquistão para todos os lançamentos tripulados, vai começar a mandar os cosmonautas para o espaço a partir de uma nova instalação que será construída na Sibéria.

"Vale a pena lembrar que nossas missões das décadas de 1950 e 1970 foram as primeiras a alcançar a Lua, Marte e Vênus. Estas realizações estão escritas na história das pesquisas espaciais para sempre", disse Putin. "Agora a Rússia está de volta à exploração dos planetas do sistema solar".

Mais conteúdo sobre:
programa espacial Vladmir Putin

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.