Saiba como evitar e o que fazer em caso de acidentes com animais aquáticos

No verão, cresce número de pessoas que relatam ferimentos graves, inchaço e até necrose; bagres, ouriços, arraias, águas-vivas, esponjas-do-mar, moreias e piranhas representam perigo

Paula Felix e Júlia Marques, O Estado de S. Paulo

19 Janeiro 2016 | 11h19

Com um número maior de visitantes nas praias e locais de água doce, algo que costuma ocorrer no verão, crescem também os acidentes com animais aquáticos, que podem causar ferimentos graves, inchaço, dor e até necrose nas vítimas. Apenas neste ano já há seis casos de pessoas que se machucaram em ferrões de bagres no litoral do Estado de São Paulo e a recomendação para não se envolver em acidentes é simples: evitar o contato com os animais.

"A recomendação geral é evitar o contato, porque todos esses bichos têm defesas. O bagre tem ferrão e o ouriço, espinhos. Eles já estão naquele habitat. A novidade somos nós e temos de ter respeito com eles", explica Vidal Haddad Júnior, professor livre-docente da Faculdade de Medicina da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Botucatu. Além desses animais, arraias, águas-vivas, esponjas-do-mar, moreias e piranhas também representam perigo.

Ele explica que metade dos acidentes acontecem com ouriços. Outros 25% são causados por água-viva e caravelas e 25%, por peixes. Desses, 90% estão ligados a bagres."

Segundo o professor, os bagres não atacam as pessoas. É preciso ficar atento para não pisar ou encostar no animal. "Muitos acidentes acontecem na areia, quando o animal já está morto. Alguns são jogados de barcos por pescadores."

Haddad Júnior diz que a população já se acostumou a lidar com animais peçonhentos, mas que ainda há dificuldade quando ocorre um problema com um animal aquático. A tentativa de remover espinhos ou ferrões não deve ser feita em casa. "As pessoas devem procurar um médico imediatamente." 

Mais conteúdo sobre:
Unesp

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.