Divulgação
Divulgação

Salmonelas podem ser usadas para combater infecções, aponta estudo

Pesquisa realizada nos EUA mostra que bactéria pode ser geneticamente modificada para tratamento

Agência Fapesp,

08 de fevereiro de 2011 | 17h02

SÃO PAULO - Salmonelas são bactérias muito conhecidas por causarem intoxicação alimentar e problemas como diarreia, gastroenterite e septicemia. Apesar disso, a presença de salmonela no intestino é comum e nem todos os subtipos da bactéria causam problemas intestinais - ao contrário disso, um estudo realizado na Universidade da Califórnia, em Berkeley, nos Estados Unidos, mostra que a salmonela pode ser usada para combater infecções.

 

Em artigo que será publicado nesta semana na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, os cientistas descrevem como usaram a salmonela para transportar enzimas preparadas para combater o vírus até determinadas células. Tudo feito de modo seguro e sem causar complicações. A novidade funcionou em camundongos infectados com citomegalovírus - tipo de vírus da herpes comum em regiões pobres - em uma solução oral que não precisou ser injetada.

 

"Um número de vacinas, entre as quais contra poliomielite e varíola, usam vírus vivos, mas enfraquecidos, para fortalecer o sistema imunológico. Essa é a primeira vez, porém, que se consegue modificar geneticamente uma bactéria para o tratamento de uma infecção viral", disse Fenyong Liu, um dos autores do estudo.

 

Os pesquisadores usaram a salmonela por se tratar de um organismo que sobrevive ao sistema digestivo humano, o que permite ser usada de modo oral, mais conveniente de ser administrado do que se inalada ou injetada. O grupo usou uma linhagem da salmonela atenuada e conhecida como segura, que também é usada na vacina para febre tifoide. Como a salmonela invade facilmente as células, os cientistas usaram o organismo para transportar ribossomos capazes de bloquear a atividade genética do citomegalovírus.

 

No estudo, os camundongos que receberam os ribossomos transportados pela salmonela viveram duas vezes mais do que os outros também infectados mas que não ingeriram a bactéria. "O estudo se centrou no uso da salmonela e de ribossomos para combater infecções, mas, com mais estudos, esse método poderá ser usado eventualmente para tratar outras condições, entre as quais o câncer", disse Liu.

Mais conteúdo sobre:
salmonelaestudoiñfecções

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.