Evelson de Freitas/Estadão
Evelson de Freitas/Estadão

Santa Casa pagou 5 mil vezes mais por remédio

‘Problemas de gestão em negociações de contratos desfavoreceram a instituição’, disse secretário, ao apresentar auditoria

Fabiana Cambricoli, O Estado de S. Paulo

12 Dezembro 2014 | 03h00

Com dívida de R$ 821 milhões e imersa em crise financeira, a Santa Casa de Misericórdia de São Paulo pode ter pago preço até 5 mil vezes superior ao de mercado por medicamentos. Segundo resultados preliminares de análise da BDO RCS Auditores Independentes, há também superfaturamento em contratos e incongruências na admissão de funcionários.

A auditoria feita para a Secretaria Estadual da Saúde foi apresentada nesta quinta-feira, 11, à direção da maior instituição filantrópica da América Latina. O Estado apurou que as maiores falhas estão na compra de materiais e remédios e nos serviços de segurança, lavanderia e limpeza.

Além do sobrepreço dos medicamentos, a auditoria verificou, por exemplo, que, no contrato de lavanderia, a Santa Casa deveria pagar R$ 1,98 por quilo de roupa. A empresa terceirizada cobrava, porém, R$ 3. O gasto excedente é de R$ 2,6 milhões por ano. No serviço de limpeza, os auditores apontaram que a entidade pagava pela contratação de 422 funcionários, mas apenas 360 trabalhavam.

A auditoria também verificou que a contratação de funcionários é superior ao aumento das atividades do hospital. O complexo tem 21 trabalhadores por leito, quando a média de outras unidades é de cinco.

“Tem problemas em todos os contratos. Existem falhas de gestão em negociações de contratos que desfavoreceram a Santa Casa”, disse o secretário estadual da Saúde, David Uip, após apresentar a auditoria. Ele afirmou que encaminharia ontem a análise para o Ministério Público Estadual (MPE) e para o Tribunal de Contas do Estado (TCE). “O que cabe a mim é encaminhar. Avaliação, julgamento, decisão e eventuais punições cabem a quem de direito.”

O superfaturamento em contratos já havia sido relatado por um ex-funcionário em depoimento ao MPE, conforme antecipado pelo Estado ontem. Ele apontou problemas no contrato da Santa Casa com a Logimed, responsável pela compra de materiais e remédios.

A empresa informou que “repudia a afirmação de prática de superfaturamento” e “reafirma que sua operação cumpriu rigorosamente o escopo contratado pela Santa Casa”. Disse também que, sobre o caso da dipirona, citado pela testemunha, há 43 tipos do remédio, cujos valores variam de R$ 0,25 a R$ 270,80. Para a Logimed, a variação de preços torna comparações indevidas. 

Recuperação. Superintendente da Santa Casa há dois meses, Irineu Massaia afirmou nesta quinta que já tem um plano de recuperação que contempla renegociação das dívidas, corte de custos e revisão dos contratos. “Não é uma situação que vai se resolver do dia para a noite, mas acredito que seja possível pagar a dívida.” Em relação às denúncias sobre os contratos, a Santa Casa afirmou, em nota, que não foi notificada pelas autoridades, mas que “tem todo o interesse em conhecer e se compromete a apurar irregularidades”.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo Santa Casa

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.