Kamil Krzaczynski/AFP
Kamil Krzaczynski/AFP

São Caetano é 1ª cidade do Estado de São Paulo a aplicar vacina contra covid-19 da Janssen

Chegada das doses foi possível por causa da participação do Centro de Pesquisas da USCS na fase 3 de testes do imunizante

Renata Okumura e Ítalo Lo Re, O Estado de S.Paulo

25 de junho de 2021 | 13h47
Atualizado 25 de junho de 2021 | 19h05

SÃO PAULO - O município de São Caetano, na Grande São Paulo, inicia na tarde desta sexta-feira, 25, a aplicação da vacina da Janssen contra a covid-19, braço farmacêutico da Johnson & Johnson. Será a primeira cidade do Estado paulista a disponibilizar o imunizante. A chegada de 1,5 mil doses foi possível por causa da participação do Centro de Pesquisas da Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS) na fase 3 de testes do imunizante.

As doses serão destinadas aos moradores da cidade que tenham 44 e 45 anos e queiram participar do programa de acesso expandido da vacina. A aplicação irá ocorrer no Centro de Capacitação dos Profissionais da Educação (Cecape).

Segundo a prefeitura, o munícipe deverá ter disponibilidade para permanecer cerca de uma hora no local, onde receberá um termo de anuência, fará um cadastro, será vacinado e, posteriormente, acompanhado durante 15 minutos pelas equipes de enfermagem da universidade. Ainda não há detalhes de como será feito o acompanhamento.

Durante a fase 3 de testes com a vacina da Janssen, 28 centros de pesquisas do País e sete mil voluntários participaram da pesquisa. Em São Caetano, cerca de 250 pessoas estiveram envolvidas no processo.

Contato da farmacêutica com centro de pesquisa da cidade começou há dez meses

A secretária municipal de Saúde de São Caetano do Sul, a médica Regina Maura, conta que a participação do Centro de Pesquisas da USCS na fase 3 dos testes da vacina da Janssen começou há cerca de dez meses e se estendeu até o início deste ano. “A Janssen quando veio ao Brasil procurou os centros de pesquisa, avaliou quais estariam habilitados a desenvolver a pesquisa no País e firmou parcerias”, relembra.

Em São Caetano do Sul, depois que a vacina foi testada em voluntários adultos, a previsão era de que os testes iriam continuar em gestantes e crianças. Mas essa fase da pesquisa foi cancelada no País, explica Maura. Com isso, ficaram algumas doses remanescentes e a Janssen decidiu doá-las aos centros de pesquisa para que usassem da forma que escolhessem. Contanto que isso fosse feito ainda dentro de alguns protocolos, já que a entrega das doses se deu por fora do Programa Nacional de Imunizações (PNI).

“Tem todo um termo de consentimento, que precisa ser lido e assinado. Após vacinadas, as pessoas ficam ainda 15 minutos em observação, para ver se tem alguma reação”, explica Maura. É por conta dessa dinâmica, chamada de acesso expandido, que cada pessoa acaba permanecendo no local de vacinação por cerca de uma hora. 

O Centro de Pesquisas da USCS decidiu doar ao município todas as 1.500 doses que serão recebidas. Delas, 824 foram chegaram nesta sexta-feira, 25, e o restante deve ser entregue na próxima segunda-feira, 28. 

Isso sem contar as outras doses do imunizante da Janssen previstas chegar à cidade no final de semana por meio do PNI. Ou seja, as vacinas que já estão sendo aplicadas nada têm a ver com o lote de 1,5 milhão de doses do imunizante da Janssen que chegaram ao Brasil na terça-feira, 22.

“A chegada das doses da Janssen (obtidas por meio da USCS) nos beneficiou bastante, porque acabou complementando um déficit das doses que a gente estava recebendo (para vacinar) a faixa de 43 a 49 anos”, diz a secretária. 

Segundo estimativa do município, há 20 mil pessoas na faixa etária de 43 a 49 anos em São Caetano do Sul. Delas, cerca de 6.600 já foram vacinadas devido às estratégias de comorbidades, de profissionais de saúde e de educação, mas a quantidade de doses que estavam chegando para o restante estava abaixo do previsto.

Distribuição de doses da vacina aos municípios paulistas

Segundo a Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo, os outros municípios, inclusive a capital paulista, devem receber doses da vacina da Janssen neste fim de semana. 

Quarta imunização a começar a ser aplicada no Brasil, o primeiro lote da vacina da Janssen contra a covid-19 chegou na manhã de 22 de junho, no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo. Nesta remessa, que atrasou uma semana após a suspensão do envio de 3 milhões de doses, veio a metade das doses previstas do imunizante, totalizando 1,5 milhão de doses. 

Diferentemente das outras vacinas, o imunizante é administrado em dose única. Seu uso emergencial foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em 31 de março. 

Em 14 de junho, a agência autorizou a extensão do prazo de validade da vacina contra a covid-19 da Janssen de três para quatro meses e meio, sob condições de armazenamento de 2º a 8º C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.