Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

São Paulo chega a 6.220 mortes por covid-19; isolamento vai a 55% no Estado e 57% na capital

Ocupação dos leitos de UTI na Grande São Paulo cai a 88%; Estado tem 4.283 pessoas internadas em leitos de terapia intensiva

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

25 de maio de 2020 | 13h23

Correções: 25/05/2020 | 15h11

O Estado de São Paulo registrou mais 1.464 casos de coronavírus nas últimas 24 horas, e chegou nesta segunda-feira, 25, a 83.625 casos. Mais 57 pessoas morreram em decorrência da doença desde o balanço divulgado do domingo, fazendo o total de óbitos chegar a 6.220 no Estado, que tem a maioria dos casos do País.

No domingo, dia em que mais pessoas ficam em casa, a taxa de isolamento social ficou 57% na  capital paulista, que vive um feriado de seis dias que termina nesta segunda. É a taxa mais alta dos últimos três domingos, mas ainda ficou abaixo das taxas observadas no começo da quarentena, em março. No Estado, a taxa ficou em 55%. Os dados referentes a esta segunda, feriado antecipado da Revolução Constitucionalista, ainda estão sendo aferidos e só serão divulgados amanhã.

Os dados sobre casos confirmados e mortes, em geral, são mais baixos no fim de semana. Segundo o governo do Estado, isso é resultado de dificuldades que algumas prefeituras têm em repassar os números para o governo aos fins de semana. Há casos de covid-19 em 510 dos 645 municípios do Estado. "Destes, 237 tiveram uma ou mais vítimas fatais da doença", informa o governo.

Nesta segunda, 11,1 mil pessoas estão internadas por causa da doença, sendo que 4.283 delas estão em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs). A taxa de ocupação das UTIs na Grande São Paulo, que no domingo havia ultrapassado a taxa de 90%, caiu para 88%, em decorrência da abertura de mais leitos dotados de equipamentos de tratamento intensivo nas cidades da região. No Estado como um toodo, a ocupação das UTIs é de 73,8%.

"Os óbitos continuam concentrados em pacientes com 60 anos ou mais, totalizando 72,8% das mortes.", informa a Secretaria Estadual da Saúde, por nota. "Observando faixas etárias subdividas a cada dez anos, nota-se que a mortalidade é maior entre 70 e 79 anos (1.474 do total), seguida por 60-69 anos (1.439) e 80-89 (1.203)."

 

Correções
25/05/2020 | 15h11

De forma incorreta, a reportagem apresentou dados do último sábado, 23, como sendo os números de domingo, 24, informando que o aumento total de casos em relação a esta segunda-feira, 25, foi de 80.558 casos para 83.625, totalizando mais 3.067 pessoas infectadas. O aumento na verdade é de 82.161 para 83.625 infecções, totalizando 1.464 casos novos. A informação foi corrigida no texto.

Devido ao mesmo equívoco, o texto informou que total de mortos passou de 6.163 para 6.220, totalizando 57 mortes a mais de domingo para segunda-feira. O texto informava que o aumento havia sido de 6.045 para 6.220. A informação também foi corrigida. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.