Patrick T. Fallon/AFP
Patrick T. Fallon/AFP

São Paulo começa a aplicar vacina da Pfizer em quem está com 2ª dose de AstraZeneca em atraso

Os pontos de vacinação da capital paulista começarão a aplicar a segunda dose da Pfizer no esquema heterólogo a partir das 14h

Mariana Hallal, O Estado de S.Paulo

13 de setembro de 2021 | 10h31
Atualizado 13 de setembro de 2021 | 10h56

A partir das 14h desta segunda-feira, 13, as pessoas que estão com a segunda dose da vacina da AstraZeneca em atraso poderão se vacinar com a Pfizer em São Paulo. A decisão foi tomada na semana passada pela Secretaria Estadual de Saúde porque o imunizante da AstraZeneca está em falta no Estado

De acordo com o governo estadual, a vacina da Pfizer estará disponível para quem deveria receber a segunda dose entre os dias 1º e 15 de setembro. Para dar conta da demanda, o Estado diz ter distribuído 400 mil doses desse imunizante aos municípios durante o final de semana.

O site De Olho Na Fila, da Prefeitura de São Paulo, mostra quais vacinas estão disponíveis nas unidades de saúde da capital. Clique aqui para conferir.

Na capital paulista, a vacina da AstraZeneca está em falta desde a última quinta-feira. Além de São Paulo, outros Estados enfrentam desabastecimento do imunizante. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que produz a vacina no Brasil, atrasou a entrega de lotes neste mês, mas o envio de doses deve ser normalizado a partir desta semana.

Para justificar a falta de doses, o governo de São Paulo afirma que deixou de receber quase um milhão de vacinas do Ministério da Saúde em setembro. O órgão federal, por sua vez, diz que antecipou o envio de 315,5 mil doses a São Paulo para serem usadas como segunda dose. No entanto, segundo o ministério, o Estado teria usado como primeira dose as vacinas que deveriam ter sido guardadas para a segunda dose.

Medida é segura e eficaz, segundo estudos

Já há diversos estudos mostrando que a combinação de vacinas contra a covid é segura e eficaz. Uma pesquisa feita na Dinamarca e publicada em junho mostrou que quem recebeu a primeira dose da vacina da AstraZeneca e a segunda da Pfizer tem 88% menos chances de ser infectado pelo coronavírus. 

O ensaio clínico CombivacS, conduzido pelo Instituto de Saúde Carlos III, da Espanha, também avaliou a eficácia e a segurança de combinar vacinas. Em um artigo publicado na revista científica The Lancet, os pesquisadores concluíram que o esquema heterólogo é capaz de gerar uma resposta imune robusta com efeitos colaterais toleráveis.   

Terceira dose

Idosos com 85 anos ou mais já podem receber a terceira dose da vacina contra a covid-19 nesta segunda-feira. A dose extra é necessária para aumentar a proteção conferida pelo imunizante. Em São Paulo, a terceira dose pode ser feita com Coronavac, Pfizer, AstraZeneca ou Janssen.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.