São Paulo ganhará maior centro de treinamento médico da AL

Complexo construído pela multinacional Johnson & Johnson poderá capacitar anualmente 7 mil profissionais

Efe,

28 Janeiro 2010 | 08h56

A multinacional americana Johnson & Johnson apresentou nesta quarta-feira, 27, em São Paulo o maior centro de treinamento médico da América Latina, que conta com modernos equipamentos para capacitar anualmente cerca de sete mil profissionais e estará aberto a alunos de toda a região.

 

O Medical Innovation Institute será inaugurado no próximo dia 1º e será o primeiro da América Latina a reunir em um mesmo lugar um amplo conjunto de equipamentos de alta tecnologia para o treinamento de profissionais da saúde.

 

"O centro conta com uma tecnologia que já estava disponível na América Latina, mas será o primeiro da região que reunirá todos esses equipamentos em um mesmo local. Já o profissional não vai ter que se deslocar de país em país para treinar", comentou em entrevista coletiva o diretor do instituto, George Marques Filho.

 

Marques Filho destacou também que, com os equipamentos, diminuem os custos e o impacto de utilizar animais nos treinamentos.

 

A Johnson & Johnson, que em 2008 investiu US$ 2,5 bilhões em pesquisa e desenvolvimento médico, não divulgou o montante do investimento para criar o instituto, que ocupa uma área de 4.500 metros quadrados.

 

Em seu primeiro ano, com uma capacitação gratuita, o instituto treinará quatro mil profissionais de saúde e de áreas administrativas ligadas ao setor.

 

A presidente da divisão médica da companhia no Brasil, Regina Navarro, apontou que existe a possibilidade de realizar convênios para treinar profissionais que trabalham em entidades públicas dos países latino-americanos e acordos com as universidades da região.

 

Segundo Navarro, São Paulo foi escolhida para receber o centro de treino por ser um ponto estratégico em termos de conexão com os demais países e uma referência médica na região para diversos profissionais que buscam capacitação.

 

O instituto conta com uma sala de cirurgia equipada com monitores para acompanhar as operações e com capacidade para transmitir as imagens para qualquer parte do mundo ou receber a assessoria de um médico à distância.

 

Uma série de simuladores de realidade virtual, similares aos de voo, permitirá também que os novos cirurgiões aperfeiçoem seu desempenho na sala de cirurgia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.