São Paulo inicia campanha de vacinação contra sarampo e pólio
Conteúdo Patrocinado

São Paulo inicia campanha de vacinação contra sarampo e pólio

Além das vacinas contra covid-19 e gripe influenza, as unidades de saúde da cidade também estão imunizando contra sarampo e pólio

Prefeitura de São Paulo, Estadão Blue Studio
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

02 de maio de 2022 | 08h00

Quem mora em São Paulo tem a chan­ce de aproveitar a campanha de imuni­zação contra o sarampo e a poliomielite para colocar a carteirinha de vacinação em dia. Desde 4 de abril, a Prefeitura da capital paulista intensificou esforços para que a população procure um dos pos­tos de saúde e receba as vacinas. As Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e as Assistências Médicas Ambulatoriais (AMAs)/UBSs Integradas do município também contam com doses disponíveis contra covid-19 e gripe influenza.

A imunização contra o sarampo está disponível para crianças a partir de 6 meses e com menos de 5 anos. É recomendado o intervalo de 15 dias entre a vacina da covid-19 e a de sarampo para crianças de 5 a 11 anos. Também devem se proteger os profissionais da área da saúde e quem nasceu a partir de 1960.

Já a vacina contra a pólio é para as crianças com até 5 anos, além de viajan­tes, imigrantes e refugiados de países en­dêmicos ou em surto.

O universo de crianças aptas a tomar a vacina contra o sarampo é de 709.273. Com a campanha, a Prefeitura de São Paulo espera alcançar 95% desse contingente. Já os profissionais de saúde em atividade chegam a 585.913.

Nos próximos dias, Pedro Henrique, de 3 anos e 3 meses, vai ser levado pela mãe Ivonete da Cruz Ferreira até uma unidade de saúde para receber a imunização contra o sarampo e a poliomielite. “As vacinas previnem uma série de doenças, por isso os pais deveriam imunizar seus filhos. Fica aqui o meu alerta”, diz a moradora de Itaquera, na zona leste da cidade.

O sarampo voltou a preocupar as au­toridades de saúde. Os últimos casos ha­viam sido registrados em 2015 no Brasil, o que garantiu ao País, em 2016, a certifi­cação da eliminação do vírus endêmico. Em 2018 houve um novo surto, e 9.325 pessoas fo­ram contaminadas. No ano seguinte, ape­nas no município de São Paulo, houve a confirmação de 9.347 casos e 5 óbi­tos. Em 2020, com a pandemia e as restri­ções à circulação, os números recuaram, com 454 notificações e um óbito. No ano passado, foram 7 casos confirmados e ne­nhuma morte.

Raquel Reis foi alertada por uma enfemeira da UBS de Veleiros, no bairro onde sua família vive, na zona sul da cidade, sobre os casos de sarampo, por isso pôde antecipar a dose da filha Olívia Reis Morais, de 11 meses, antes de a criança completar 1 ano.

“A vacina salva vidas, e é fundamental que todos sejam vacinados. Crescemos em uma cultura vacinal e damos muito valor a isso, sobretudo por ter acesso gratuito a vacinas que imunizam contra diversas doenças e nos dão qualidade de vida. Nós cuidamos da saúde da nossa filha de uma forma que ela possa viver até 100 anos com saúde, disposição e sem sequelas de doenças que podem ser evitadas”, conta Raquel, e acrescenta um recado para outros pais. “Vacinem seus filhos e regularizem as doses atrasadas. Nossa obrigação é resguardar a saúde de nossos filhos para que vivam bem, felizes e com saúde.”

Hellen Cristina Sousa de Oliveira está grávida de 31 semanas, já pensa em seguir essa orientação e se prepara para a rotina que terá como mãe. “Sei que é muito importante, por isso vou seguir direitinho o calendário para que meu filho Anthony receba todas as vacinas”, diz a moradora da Vila Carmosina, na zona leste.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.