São Paulo não adiará volta às aulas pela gripe suína, diz Kassab

Professores são orientados a procurar assistência médica caso algum aluno tenha os sintomas do vírus da gripe

Laís Cattassini, Jornal da Tarde,

27 Julho 2009 | 10h06

A volta às aulas nas escolas municipais de São Paulo, que está marcada para o dia 3 de agosto, não será adiada, segundo o prefeito Gilberto Kassab. Os professores e diretores da rede municipal de ensino foram orientados a procurar assistência médica caso algum dos alunos apresente os sintomas da gripe suína. Até o momento, foram registradas 17 mortes causadas pela doença no Estado - a mais recente, em Mogi-Guaçu.

Em Osasco e Diadema, na Grande São Paulo, e também em Campinas, no interior do Estado, o retorno às aulas foi adiado em pelo menos uma semana para conter o avanço da doença. O Ministério da Saúde recomendou que crianças gripadas fiquem em casa, mesmo que não tenham a confirmação da contaminação.

Para Kassab, porém, não há necessidade de mudanças no cronograma de aulas nas escolas da rede municipal. "Os profissionais da educação estão cientes de que têm o apoio das instituições de saúde e sabem que devem informar o poder público caso alguma criança esteja contaminada", afirmou.

Para facilitar o acesso ao atendimento a alunos, pais e professores, a Secretaria Municipal de Saúde ampliou os horários das Assistências Médicas Ambulatoriais (AMA), que passarão a atender a população também aos domingos. Ontem, Kassab e o Secretário Municipal de Saúde, Januário Montone, anunciaram a ampliação do programa de saúde e visitaram os hospitais que oferecem o serviço.

As 104 AMAs realizam o atendimento de segunda a sábado, entre 7 horas e 19 horas, e agora passarão a atender também aos domingos e feriados, no mesmo horário.

Outros 11 ambulatórios já têm atendimento 24 horas. Segundo o prefeito, o novo horário deve continuar "até quando for necessário."

Kassab acredita que a ampliação faz com que a população tenha a quem recorrer caso apresente os sintomas da gripe. "As pessoas devem sentir que existe uma retaguarda do poder público. A cidade está em estado de alerta, com os esforços potencializados no combate à gripe. Não é preciso pânico, mas as pessoas também devem estar alertas quanto aos sintomas."

Para o secretário, a abertura das AMAs aos domingos permite que os paulistanos sigam as orientações do ministério."É preciso que as pessoas procurem um médico assim que surgirem os sintomas. A rede pública está à disposição de toda a população."

De acordo com Montone, as AMAs atendem pelo menos 30 mil pessoas todos os dias e trabalham com pelo menos 500 profissionais."Todo o setor de saúde está mobilizado e os médicos estão preparados para atender a população, seja em razão da gripe suína ou da gripe comum", afirmou.

RIO

Cerca de 1,8 mil pessoas circularam no fim de semana nos polos de atendimentos à gripe criados no Rio. Elas apresentavam sintomas de gripe, mas nenhuma pode ser classificada como contaminada pelo vírus que já provocou cinco mortes na cidade. Os polos foram criados para servir como ponto de triagem dos pacientes gripados com suspeita da doença.

Quatro polos ficam em hospitais da rede estadual e municipal de saúde e outros foram instalados em duas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e no quartel do Corpo de Bombeiro, no Meier, zona norte carioca.

Colaborou Marcelo Auler

Mais conteúdo sobre:
gripe suína Brasil SP aulas

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.