São Paulo recebe 150 mil doses de vacina contra rotavírus

Gripe e resfriado não são as únicas doenças típicas do inverno. No período de frio, é comum também a ocorrência do rotavírus, que provoca diarréias e desidratação. Por isso a Secretaria Estadual da Saúde está distribuindo 150 mil doses da vacina para os 645 municípios do Estado de São Paulo. Só para Capital, são aproximadamente 30 mil doses disponibilizadas. A vacina é fornecida de graça em todos os postos de saúde da cidade. A primeira dose deve ser aplicada aos dois meses de idade ou no máximo aos três meses e 7 dias. Já a segunda dose é recomendada para os quatro meses de vida ou então no prazo de até cinco meses . Segundo a coordenadora estadual de imunização, Helena Sato, os sintomas do rotavírus podem ser confundidos com doenças típicas dos meses mais frios. Ela ressalta ainda que é de extrema importância receber as duas doses da vacina e respeitar o intervalo de, pelo menos, um mês entre uma e outra. "Mães e pais precisam agora levar as crianças para mais uma vacinação. As doses contra o rotavírus entraram no calendário em março e serão importantes para reduzir os casos da doença", afirmou Helena. A vacina contra o rotavírus foi adicionada ao calendário nacional de imunização somente no início de 2006. Em março, abril e maio deste ano, 150 mil recém-nascidos paulistas foram vacinados. De acordo com a Secretaria de Saúde, as outras 150 mil doses estão sendo disponibilizadas agora justamente porque, em época de temperaturas baixas, aumenta o número de casos da doença e a demanda dos prontos-socorros infantis também cresce bastante. Além de diarréias, os outros sintomas do rotavírus são vômito e febre alta. A doença acomete, principalmente, crianças abaixo de 1 ano de idade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.