AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

São Paulo registra falta de vacina contra gripe comum

Reportagem verificou que em pelo menos 13 dos 38 municípios da Grande São Paulo há desabastecimento

Fabiane Leite e Karina Toledo

13 de maio de 2010 | 08h06

A campanha de imunização de idosos contra a gripe comum sofre de falta de vacinas na região metropolitana do Estado de São Paulo. Em pelo menos 13 dos 38 municípios da Grande São Paulo (exceto a capital) havia desabastecimento em postos: São Caetano do Sul, Santo André, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Arujá, Ferraz de Vasconcelos, Franco da Rocha, Barueri, Carapicuíba, Embu, Santana de Parnaíba e São Lourenço da Serra. Em Santos, no litoral, pela segunda vez na semana, os estoques estavam no limite, segundo a prefeitura.

Realizada há dez anos no Brasil, sempre no fim de abril, a campanha começou com atraso no Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste no último sábado, quando foi lançada em São Bernardo do Campo (SP) num evento com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o governador paulista, Alberto Goldman (PSDB).

O Instituto Butantã, do governo estadual, teve dificuldades para dar conta dos 18 milhões de doses encomendadas pelo Ministério da Saúde. A fábrica de vacinas contra a gripe, iniciativa dos governos estadual e federal, não começou a trabalhar a tempo e a produção foi transferida para outra área do instituto. A necessidade de produzir vacinas contra a gripe suína também atrapalhou a tradicional campanha, diz Isaías Raw, do Centro de Biotecnologia do Butantã. "Fizemos o possível e o impossível, mas tumultuou. Atrapalhou tudo."

Além disso, na última segunda-feira, a secretaria estadual informou que 2 milhões de vacinas não passaram no teste de qualidade e o Butantã foi obrigado a buscar o produto no mercado. Só encontrou a vacina trivalente, que combina dose contra a gripe comum e a suína - esta última recomendada inicialmente só para idosos com doença crônica -, o que também causou confusão nos postos. A vacina trivalente, porém, não traz riscos.

Preocupação

Segundo o infectologista Celso Granato, o atraso pode prejudicar a eficácia da campanha contra a gripe comum. "Pode acontecer de os idosos ainda não estarem imunizados quando começarem os primeiros casos de gripe, pois a vacina leva 15 dias para fazer efeito." Os meses de junho, julho e agosto são os que têm maior incidência de gripe.

Em nota, a Secretaria Estadual de Saúde informa que doses extras da vacina contra gripe foram entregues na manhã de ontem para as cidades. O Ministério da Saúde afirmou em nota que "cabe às secretarias de Saúde do Estado e dos municípios explicarem" o desabastecimento. Informou ainda que 32% dos idosos de SP já foram vacinados. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
gripevacinaSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.