Bruno Ribeiro / Estadão
Bruno Ribeiro / Estadão

São Paulo vai precisar de pelo menos mil leitos de UTI até o final de abril, diz secretário

A afirmação foi feita pelo secretário municipal Edson Aparecido no Hospital Municipal da Brasilândia, onde devem ser oferecidos 150 leitos de UTI em 40 dias e mais 30 leitos de enfermaria para pacientes com coronavírus

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de março de 2020 | 15h26

Pelo ritmo de disseminação dos casos de covid-19, a cidade de São Paulo vai precisar de pelo menos mil leitos de UTI até o final de abril, período que se espera ser o mais agudo do espalhamento do novo coronavírus, segundo o secretário da municipal de Saúde, Edson Aparecido. 

A afirmação foi feita pelo secretário neste sábado, 28, no Hospital Municipal da Brasilândia, na zona norte da capital, onde devem ser oferecidos 150 leitos de UTI em 40 dias e mais 30 leitos de enfermaria para pacientes com o novo coronavírus.

Segundo o prefeito Bruno Covas (PSDB), a expectativa é de um acréscimo de 725 leitos de UTI. A Prefeitura já anunciou que serão oferecidos 2 mil leitos de baixa e média complexidade no parque de exposições Anhembi e no estádio do Pacaembu, onde estão sendo construídos hospitais de campanha, e mais 100 leitos de UTI serão construídos no Hospital de M’Boi Mirim.

Covas insistiu neste sábado na necessidade de a população manter o isolamento para evitar a disseminação do vírus e enfatizou que “vários estudos demonstraram quanto o isolamento se refletiu no achamento da curva da expansão da doença na cidade, reduzindo as expectativas iniciais de pessoas contaminadas e do número de mortes”.

O prefeito disse que o isolamento é uma “questão humanitária, de respeito ao próximo” e que “não existe dicotomia entre saúde e economia”.

Para implantar os 150 leitos de UTI e 30 de enfermaria no Hospital da Brasilândia foram gastos R$ 15 milhões em equipamentos. Segundo Aparecido, serão contratados 400 profissionais da saúde em caráter emergencial para tocar esses leitos.

O secretário reafirmou que o momento mais agudo da disseminação da doença deverá ser entre final de abril e início de maio e que a cidade tem de estar com a infraestrutura preparada para atender a esse pico. Ele disse ainda que foi feito um acordo com cinco laboratórios privados para que até a próxima sexta-feira sejam oferecidos maus 600 testes diários para detectar coronavírus na cidade. A Prefeitura também aguarda o envio de testes do ministério da Saúde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.