Noel Celis/ AFP
Noel Celis/ AFP
Imagem Fernando Reinach
Colunista
Fernando Reinach
Conteúdo Exclusivo para Assinante

SARS-CoV-2 em gatos e cães

A conclusão é de que cães e gatos se infectam e são basicamente assintomáticos

Fernando Reinach*, O Estado de S.Paulo

03 de outubro de 2020 | 05h00

Demorou, mas finalmente foi publicado um trabalho científico descrevendo o que acontece quando gatos e cachorros são infectados pelo novo coronavírus, o SARS-CoV-2. 

Gatos e cachorros são os animais que mais convivem com seres humanos. Eles vivem em nossas casas, brincam conosco, as vezes se deitam em nossas camas e sofás e estão sempre próximos das crianças. Os gatos são menos brincalhões e dificilmente espirram nas nossa cara, mas gostam de sair à noite e nesses passeios interagem com outros gatos. Já os cachorros são os reis da saliva e não é incomum lamberem a cara de seus donos. Por estes motivos é importante saber se gatos e cachorros contraem o SARS-CoV-2, se expelem o vírus pela saliva e se são capazes de contaminar outros gatos e cachorros. Também é importante saber se desenvolvem sintomas quando infectados, se ficam imunes ao vírus e se desenvolvem anticorpos. Agora um trabalho científico cuidadoso responde à maioria dessas questões.

Foram utilizados 7 gatos adultos e 3 cachorros, todos criados como animais de laboratório em um ambiente livre de germes. Cinco dos 7 gatos foram levemente anestesiados e 300 mil partículas virais de SARS-CoV-2 foram inoculadas nas suas narinas. Todos os cinco tiveram sua temperatura monitorada constantemente e a quantidade de vírus presente na saliva e no interior do nariz foi medida usando um teste de RT-PCR, semelhante ao usado em seres humanos. Além disso o sangue de cada animal foi coletado todos os dias e a quantidade de anticorpos contra o SARS-CoV-2 foi determinado diariamente em todos os animais. Dois dias após a infecção dois dos cinco gatos foram colocados na mesma gaiola com dois gatos que não haviam recebido o vírus e a presença do vírus e dos anticorpos nesses gatos sadios também foi acompanhada diariamente. Finalmente os gatos foram inoculados novamente com o vírus para saber se eles tinham se tornado imunes. Cinco dias após a infecção dois dos 5 gatos foram sacrificados e seus órgãos foram examinados. Os outros gatos foram sacrificados após 30 dias e seus órgãos foram também examinados.

O experimento com os cachorros foi mais simples. Os três cães foram inoculados com o vírus e a quantidade de vírus na saliva e no nariz foram medidos, como foi feito com os gatos. A quantidade de anticorpos contra o SARS-CoV-2 também foi medida no sangue. O experimento para saber se um cachorro infecta outro e se o cachorro ficou imune não foram realizados. Além disso, os cachorros não foram sacrificados.

Os resultados com os gatos demonstram o seguinte: todos os gatos testados desenvolvem uma infecção pelo SARS-CoV-2 e a quantidade de vírus no nariz e na boca crescem rapidamente e depois diminuem, exatamente como ocorre com seres humanos. 

Já nos cachorros foi observado que eles se infectam, ficam assintomáticos e não produzem uma quantidade grande de vírus na saliva. Também produzem anticorpos como os seres humanos e saram da doença. Como os experimentos não foram feitos, não sabemos se os cachorros ficam imunes após a infecção, ou se contaminam outros cachorros.

A conclusão é de que cães e gatos se infectam com o SARS-CoV-2 e são basicamente assintomáticos. Gatos transmitem a doença para outros gatos e ficam imunes após se curarem. Entretanto a pergunta que realmente importa, que é se gatos e cachorros podem transmitir o vírus para seres humanos, não pôde ser respondida, pois nenhum comitê de ética aprovaria o experimento necessário, que seria colocar cães e gatos infectados para conviver com seres humanos sadios. Mas é provável que tanto gatos quanto cachorros infectados podem, com alguma frequência, infectar seres humanos.

MAIS INFORMAÇÕES: EXPERIMENTAL INFECTION OF DOMESTIC DOGS AND CATS WITH SARS-COV-2: PATHOGENESIS, TRANSMISSION, AND RESPONSE TO REEXPOSURE IN CATS. https://www.pnas.org/cgi/doi/10.1073/pnas.2013102117 (2020)

BIÓLOGO, PHD EM BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR PELA CORNELL UNIVERSITY E AUTOR DE A CHEGADA DO NOVO CORONAVÍRUS NO BRASIL; FOLHA DE LÓTUS, ESCORREGADOR DE MOSQUITO; E A LONGA MARCHA DOS GRILOS CANIBAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.