Divulgação
Divulgação

Satélite alemão Rosat cairá na Terra neste final de semana

De acordo com centro aeroespacial, ainda não há precisão sobre o local exato do impacto

Efe,

21 de outubro de 2011 | 16h48

BERLIM - O satélite alemão Rosat - fora de serviço desde 1999, mas ainda em órbita -, cairá sobre a Terra neste sábado ou domingo, informou nesta sexta-feira, 21, à Agência Efe o Centro Aeroespacial Alemão (DLR, na sigla em alemão).

Há uma semana, os especialistas oferecem diariamente novas previsões para definir o momento exato do impacto, cuja precisão aumenta de acordo com a proximidade do satélite.

Assim, na última terça, os cientistas apontavam que o satélite iria cair sobre a Terra entre os dias 21 e 24 de outubro, enquanto que dez dias atrás calculavam que o impacto aconteceria entre os dias 20 e 25.

Para definir o local exato do impacto a situação é ainda mais complicada, principalmente pela elevada velocidade do Rosat (realiza uma volta completa na Terra em apenas 90 minutos) e pela rotação de nosso planeta sobre seu próprio eixo, afirmou Andreas Schütz, porta-voz do DLR, com sede em Colônia.

"Se ainda não sabemos o dia exato da queda, também não teríamos como determinar precisamente o lugar do impacto", declarou Schütz.

Por enquanto, os especialistas adiantam apenas que o Rosat cairá sobre a Terra entre 53 graus de latitude norte e 53 graus de latitude sul. A possibilidade de algum dos destroços atingir uma pessoa é de uma em 2 mil, estimam os cientistas.

Durante sua missão, entre 1990 e 1999, o satélite Rosat, de quase 2,5 toneladas, girou ao redor da Terra em órbita elíptica, com uma distância entre 585 e 565 quilômetros da superfície terrestre.

Desde que foi posto fora de serviço, o satélite alemão perde sua altura continuamente. Em setembro, a distância entre o satélite e a Terra tinha sido reduzida em 290 quilômetros e, atualmente, já é inferior a 240 quilômetros.

Quando ingressar na atmosfera terrestre, com uma velocidade de 28 mil km/h, o satélite irá se romper em milhares de pedaços, sendo que a maior parte deles deverão se desintegrar com o extremo calor.

Porém, as últimas análises apontam que até 30 pedaços com uma massa total de 1,7 toneladas - principalmente restos do espelho do telescópio, muito resistente ao calor - poderiam chegar até a superfície terrestre. O maior fragmento poderia pesar até 1,6 toneladas, informaram os especialistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.