Divulgação/Nasa
Divulgação/Nasa

Satélite da Nasa detecta nevascas de dióxido de carbono em Marte

De acordo com informações da agência americana, estas são as primeiras provas definitivas da existência de nuvens com 'gelo seco' no polo sul do planeta vermelho

Efe,

18 Setembro 2012 | 10h47

O satélite Mars Reconnaisance Orbiter (MRO) na órbita de Marte obteve a prova definitiva de um fenômeno único no sistema solar: nevascas de dióxido de carbono.

 

Em comunicado publicado na noite desta última segunda-feira, 17, a Agência Espacial Americana (Nasa) assegura que "estas são as primeiras provas definitivas da existência de nuvens de neve de dióxido de carbono" no polo sul de Marte.

 

Os flocos de neve de dióxido de carbono, conhecidos também como "gelo seco", requerem temperaturas abaixo dos menos 125 graus centígrados e dão ao extremo meridional do Planeta Vermelho uma aparência similar à da Terra, indicou a Nasa.

 

A atmosfera marciana está composta por 95% de dióxido de carbono que ao condensar-se nos pólos cai em forma de nevadas, mais frequentes no inverno do polo sul de Marte.

 

A presença de dióxido de carbono gelado de maneira estacional no polo sul de Marte já era conhecida pelos cientistas, mas esta é a primeira vez que se demonstra a existência de precipitações de neve de "gelo seco" graças ao satélite MRO.

 

Os cientistas analisaram dados sobre composição das nuvens gasosas de Marte durante um ano e determinaram que "as partículas de gelo de dióxido de carbono são suficientemente grandes para cair na superfície", afirmou David Kass, um dos autores do estudo.

 

Em 2008, a sonda Phoenix Lander já havia detectado nevadas de água gelada, similares às da Terra, no norte de Marte.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.