Dmitry Lovetsky/AP
Dmitry Lovetsky/AP

Satélite militar russo Meridian cai após lançamento a bordo do foguete Soyuz-2

Aparelho de comunicação militar e civil sofreu uma falha na terceira fase e não entrou em órbita

Efe,

23 de dezembro de 2011 | 12h56

O satélite de comunicações militar russo Meridian caiu nesta sexta-feira, 23, pouco após seu lançamento a partir da base de Plesetsk, localizada a cerca de 800 km ao norte de Moscou. O satélite estava a bordo do foguete portador Soyuz-2, informou uma fonte do setor aeroespacial russo.

O aparato, de uso civil e militar, não pôde ser colocado em órbita. "De acordo com os dados preliminares, ocorreu uma falha na terceira fase do foguete portador Soyuz-2. Partindo dessa informação, pode-se assegurar que o satélite caiu em algum lugar da Sibéria. As coordenadas estão sendo averiguadas", explicou a fonte à agência "Interfax".

Segundo as agências russas, o Ministério da Defesa ainda não comentou o incidente.

Como consequência deste incidente, seis satélites Globalstar-2 podem ter seu lançamento cancelado, pois todos precisariam da ajuda de foguetes portadores Soyus-2.1A, muito parecidos com o Soyuz-2.

"O lançamento do foguete Soyuz-2.1A, previsto para 28 de dezembro, pode ser adiado, já que a comissão de investigação precisará de tempo para esclarecer as causas da falha ocorridas na órbita do satélite Meridian", explicou a fonte.

Segundo o especialista aeroespacial, os Soyuz-2 e os Soyuz-2.1A se diferenciam apenas na terceira fase. O foguete portador do satélite a bordo foi lançado às 10h11 (de Brasília).

O fracasso no lançamento desta sexta é o 11º da indústria aeroespacial russa, que em 24 de agosto perdeu o cargueiro espacial Progress após ser lançado com destino à Estação Espacial Internacional.

Poucos dias antes, a Rússia havia perdido o satélite de telecomunicações Express-AM4, se somando às perdas anteriores de um satélite militar geodésico e de outros três satélites lançados para completar o sistema de navegação GLONASS, análogo ao GPS americano.

A última perda foi a da estação russa Phobos-Grunt, lançada no último 8 de novembro. Uma falha ainda não identificada fez com que a estação ficasse na órbita terrestre ao invés de viajar até Marte.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.