Saúde dá cartão para paciente com sintomas de dengue

Identificação é entregue a pacientes que buscam unidades médicas públicas e privadas

GUSTAVO URIBE, Agência Estado

20 Janeiro 2011 | 19h51

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, informou hoje que o governo federal distribui, desde o início do ano, um cartão de identificação para pacientes que apresentam sintomas de dengue, ao procurarem unidades médicas públicas e privadas. O objetivo desse cartão é monitorar o estado de saúde dos pacientes e os tratamentos a que foram submetidos, evitando diagnósticos equivocados caso as pessoas procurem mais de uma unidade médica.

De acordo com o ministro, já foram distribuídos 400 mil cartões em todo o Brasil. Os próximos cartões devem ser distribuídos principalmente em regiões em que foram identificados maior risco de epidemia. O Ministério da Saúde informou, na semana passada, que dezesseis Estados estão sob risco muito alto de enfrentar uma epidemia de dengue. A maior parte deles está nas regiões Norte e Nordeste, mas inclui Rio de Janeiro, Espírito Santo e Mato Grosso.

Em reunião hoje com operadores de planos de saúde na capital paulista, Padilha reconheceu que há um "risco real" de epidemia de dengue. "A decisão do governo federal é de antecipar as medidas para evitar que o número de casos da doença aumente neste começo de ano", disse o ministro. "A orientação da presidente Dilma Rousseff é de que se antecipe o mais rápido medidas que evitem um risco real de epidemia de dengue no Brasil", acrescentou.

Novo protocolo

O ministro informou ainda que o governo federal distribui, desde a semana passada, aos hospitais e unidades de saúde um novo protocolo de atendimento de pacientes com sintomas de dengue. O documento traz atualizações sobre medidas de precaução, identificação e tratamento da doença.

Padilha evitou criticar o protocolo anterior, justificando a nova edição pelo que chamou de mudança de comportamento da doença. "Nós sempre temos de fazer uma atualização permanente dos profissionais de saúde. A dengue tem um comportamento diferente com o passar dos anos. Então, é fundamental uma capacitação permanente", disse. Apesar de já estar sendo distribuído, o novo protocolo será lançado oficialmente em fevereiro.

Perguntado, o ministro garantiu que não há sinais de desabastecimento de medicamentos para tratamento da dengue e disse que o ministério está atento a focos da doença nas cidades da Zona Serrana do Rio Janeiro, castigadas pelas chuvas na última semana. Padilha ressaltou que, mesmo com as fortes chuvas, os municípios não apresentam até o momento risco de epidemia da doença.

Planos de saúde

O encontro de hoje, o primeiro do ministro com operadores de planos de saúde, faz parte de cronograma de visitas do Ministério da Saúde que visa diminuir os riscos de epidemia da doença. Padilha pediu às empresas que distribuam o novo protocolo de atendimento da doença às suas unidades médicas e que informem ao ministério óbitos suspeitos de terem sido provocados pela dengue.

O ministério também quer ser informado sobre o número de pacientes suspeitos de terem contraído a doença e pede que as empresas incluam, em seus portais na internet, um link para o site do ministério, com medidas para o combate à larva do mosquito transmissor da doença.

Mais conteúdo sobre:
saúdedenguecartão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.