Saúde deve anunciar compra de kits de diagnóstico para zika

Testes serão usados na rede pública; meta é de que os estoques do produto comecem a ser distribuídos em novembro

Lígia Formenti, O Estado de S. Paulo

20 de outubro de 2016 | 21h08

BRASÍLIA - O Ministério da Saúde deve anunciar nos próximos dias a compra de kits de diagnóstico para zika. Os testes serão usados na rede pública. De acordo com informações obtidas pelo Estado, a meta é de que os estoques do produto comecem a ser distribuídos em novembro.

A confirmação da infecção por zika é ainda considerada um desafio na rede pública. Os exames realizados atualmente nos serviços públicos usam uma metodologia cara e demorada. Trata-se do exame PCR, que busca traços do vírus em amostras coletadas do paciente. Os exames que serão adquiridos a partir deste ano se baseiam na identificação de anticorpos contra o zika, produzidos pelo organismo do paciente.



A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), já concedeu registro para cinco testes de diagnóstico contra zika.  

O kit rápido para diagnóstico é considerado como uma ferramenta importante sobretudo para acompanhar gestantes. A zika é uma doença que em 80% dos casos não apresenta sintomas. Quando afeta mulheres grávidas, no entanto, a infecção pode aumentar o risco de o bebê nascer com uma síndrome que pode levar à microcefalia, problemas nas articulações e visão. O exame também será útil para testar bebês. Hoje, quase um ano depois de o Brasil decretar emergência em saúde pública, há ainda um grande número de casos suspeitos de microcefalia aguardando confirmação. O equivalente a 30% dos casos notificados entre 2015 e 2016.

A ferramenta também é essencial para dar mais agilidade na análise de casos de pedidos para o Benefício de Prestação Continuada, concedido a crianças com microcefalia que vivam em famílias cuja renda per capita não ultrapassa um quarto de salário mínimo.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.