Saúde diz que morte no Rio não foi provocada por gripe suína

Caso estava sendo analisado porque mulher, de 50 anos, havia chegado recentemente dos Estados Unidos

Fabiana Cimieri e Lígia Formenti, da Agência Estado,

04 Maio 2009 | 18h27

O secretário de Vigilância em Saúde do governo federal, Gerson Penna, afirmou que a morte de uma mulher de 50 anos no Rio de Janeiro, procedente dos Estados Unidos, não foi provocada pelo vírus A(H1N1), da gripe suína. Segundo Penna, que integra o Grupo Executivo Interministerial  formado por representantes de vários setores do governo para discutir as ações de prevenção da gripe suína, a paciente teria morrido de pneumonia bacteriana.

 

Veja também

link Brasil tem 25 casos suspeitos de gripe suína; 60 são descartados

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde  

 

A paciente, uma mulher de 50 anos que apresentava febre, dor de cabeça e vômito, morreu esta madrugada no Hospital Barra D'Or, no Rio. O hospital informou que a causa da morte foi septicemia grave (infecção generalizada).

 

Ela ficou internada por precaução assim que retornou dos Estados Unidos, mas não estava entre os pacientes do Estado com suspeita de ter o vírus Influenza A (H1N1), conforme informações do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS) do Rio.

 

Em nota, o CIEVS ressaltou que ela não tinha sintomas compatíveis com a gripe (como tosse, secreção e pneumonia), mas sim febre e vômito.

 

A Secretaria Estadual de Saúde não divulgou seu nome, a pedido da família. O resultado do exame de sangue coletado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária para detectar a causa da morte da paciente deverá sair na terça-feira, 5.

Mais conteúdo sobre:
gripe suína

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.