Saúde lança campanha de combate à dengue no Rio

Ação contará com soldados treinados para atuar no combate a focos ou em hospitais de campanha

Fabiana Cimieri, da Agência Estado ,

20 de outubro de 2008 | 20h23

O Ministério da Saúde treinará recrutas para atuarem no combate à dengue, seja eliminando focos do mosquito ou em hospitais de campanha e tendas de hidratação, como foi feito durante a epidemia do início do ano, no Rio. O Ministério da Defesa ainda não definiu quantos soldados serão treinados, mas eles ficarão de prontidão e podem atuar em qualquer Estado.  Veja também: O avanço da dengue no Brasil   As doenças hemorrágicas no mundo   "Vamos ter um Exército de reserva que poderá ser mobilizado para atuar no combate ao vetor onde for necessário, principalmente no Norte e Nordeste, Rio, São Paulo, Espírito Santo e Minas Gerais", disse o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, que participou nesta segunda-feira, 20, do lançamento da Campanha Nacional de Combate à Dengue, na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), na capital fluminense.  O ministro fez um apelo para que não haja descontinuidade nas políticas de combate à dengue por causa do processo eleitoral. Cerca de 60% dos municípios terão um novo prefeito no início do ano. "Estou fazendo uma convocação para que todas as equipes de transição incluam a questão da dengue entre as prioridades da transição, para que não haja demissão de equipes que trabalham no combate à doença, principalmente nos 12 Estados que são área de risco". De acordo com Temporão, a epidemia no Rio, onde quase 200 mil pessoas contraíram a doença nos últimos 12 meses, foi a responsável pelo aumento de cerca de 40% do número absoluto de casos em todo o território nacional.  "A dengue é uma doença detectável, diagnosticável, e se a condução for correta, o óbito é uma eventualidade muito rara. Não foi o que aconteceu esse ano. Muita gente que morreu não precisaria ter morrido", lamentou Temporão. O Ministério, que este ano está gastando R$ 128 milhões a mais do que no ano passado no Plano Nacional de Combate à Dengue, concentrou suas ações na prevenção, no repasse de recursos para o atendimento básico nos municípios,na capacitação dos profissionais de saúde e no aperfeiçoamento do diagnóstico.  Campanha A nova campanha publicitária custou R$ 40,3 milhões e começou a ser veiculada nesta segunda-feira, 20. É estrelada pelos atores Wagner Mora, Malu Mader e Fábio Assunção e foi criada a partir de pesquisas que detectaram que a população sabe como combater a dengue, como eliminar focos do Aedes aegypti, o transmissor da doença, e os principais sintomas. "Deter a informação é fundamental, mas não é suficiente. A informação tem que ser transformada em mobilização coletiva, que pode ser um fator determinante na virada do jogo", afirmou o ministro.  A campanha está dividida em três facetas: educativa, preventiva e reativa. Serão veiculados três filmes: o primeiro ressalta a importância da limpeza antes do período das chuvas; o segundo, da eliminação dos focos nos meses de maior risco da doença; o terceiro, dos sintomas e o que a população deve fazer quando surgirem. Além da televisão, os anúncios serão divulgados em rádio, revista, internet, jornal e outdoors.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.