Saúde nega falhas em sistema de transplantes

Em resposta a acusações da existência de falhas no Sistema Nacional de Transplantes, o Ministério da Saúde divulgou a seguinte nota: "Em atenção aos brasileiros aguardam na fila de espera por um órgão, o Ministério da Saúde esclarece que a fila atende estritamente a critérios de saúde inquestionáveis, como, por exemplo, compatibilidade genética, de idade e peso do doador e receptor. É uma irresponsabilidade dizer que a fila de espera por órgãos é uma ficção. O Sistema de Transplantes é assessorado por um comitê de especialistas e representantes dos pacientes, médicos e entidades de saúde. Estes monitoram, acompanham e avaliam as melhorias promovidas pelo Ministério da Saúde nesta área. O Ministério reafirma seu compromisso com todas as pessoas que estão na lista única à espera de um órgão e assegura o direito desses pacientes. Esclarece ainda que não recebeu do Tribunal de Contas da União (TCU) o acórdão citado pela imprensa no último final de semana, bem como cópia do relatório e voto do ministro relator que apontam possíveis falhas de execução do Sistema Nacional de Transplantes (SNT), do Ministério da Saúde. O Brasil possui o maior sistema público de transplantes de órgãos e tecidos do mundo e é o segundo país que mais faz transplantes, atrás apenas dos Estados Unidos. Em 2005, Sistema Único de Saúde (SUS) realizou 11.095 transplantes, com gasto de R$ 521,8 milhões com o pagamento de cirurgias, procedimentos associados e compra de remédios para pós-transplantados. O valor é 29,11% maior do que o empregado em 2004 (R$ 404,41 milhões). Somados aos transplantes realizados pelo setor privado, foram registrados 16,79 mil transplantes no país. Neste ano, o Ministério da Saúde finaliza a interligação dos sistemas informatizados em uso pelas centrais nacional, estaduais e regionais do SNT, com a finalidade de evitar fraudes, permitir a consolidação das listas de espera e de dados estatísticos em âmbito nacional, além do acompanhamento das alterações realizadas. Em todo o Brasil, 63,97 mil pessoas aguardam por um órgão na lista de espera organizada e coordenada pelo SNT. O sistema funciona com 1.383 equipes médicas e 927 estabelecimentos de saúde autorizados a realizar transplantes, coordenados por 23 Centrais Estaduais de Transplantes (CNCDO's) e oito unidades regionais. O crescimento do número de doações e transplantes é conseqüência da sensibilização da população brasileira, da atuação de equipes e instituições autorizadas pelo SNT e de ações do Ministério da Saúde como a realização de campanhas publicitárias anuais para incentivar a doação, que dão credibilidade ao maior sistema público de transplantes do mundo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.