Saúde prepara campanha para teste de HIV em São Paulo

De 25 de agosto a 5 de setembro deverão ser realizados gratuitamente 250 mil exames em 1 mil unidades do SUS

Fabiana Marchezi, estadao.com.br

21 de agosto de 2008 | 19h24

A Secretaria da Saúde de São Paulo prepara a maior campanha de testes de HIV da história do Estado. De 25 de agosto a 5 de setembro deverão ser realizados gratuitamente cerca de 250 mil exames em 1 mil unidades de saúde espalhadas por 162 municípios, onde vivem cerca de 70% da população de todo o Estado. Algumas unidades irão funcionar no sábado, dia 30, ou no domingo, 31, para receber a população.  De acordo com a secretaria, a campanha "Fique Sabendo", que faz parte das comemorações dos 25 anos do Programa de Combate à Aids no Estado de São Paulo, será desenvolvida pelo Centro Estadual de Referência e Treinamento em DST/Aids (CRT/Aids) e pelo Instituto Adolfo Lutz, órgãos da secretaria, em parceria com os municípios paulistas. O objetivo é diagnosticar precocemente infecções por HIV, além de sífilis e das hepatites B e C.  "O diagnóstico precoce de Aids e doenças sexualmente transmissíveis é muito importante para que o tratamento tenha eficácia, evitando complicações e assegurando maior qualidade de vida às pessoas infectadas", explica a diretora do Programa Estadual, Maria Clara Gianna. Ainda segundo o órgão, além do incentivo aos testes, a campanha visa informar a população sobre as formas de prevenção das DST, divulgar a rede de serviços disponíveis e encaminhar as pessoas diagnosticadas com HIV aos serviços especializados.  Por meio do Disk-Aids, primeiro serviço telefônico criado no Brasil para tirar dúvidas sobre doenças sexualmente transmissíveis, os interessados poderão saber como funciona o exame e os locais disponíveis para realizar a coleta. O telefone é o 0800-16-25-50, e funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h, no sábado dia 30 de agosto também estará funcionando das 8h às 17h.

Tudo o que sabemos sobre:
saúdeHIVSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.