Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Saúde publica extrato para compra de mais 100 milhões de doses da vacina da Pfizer

O documento dispensa licitação e permite compra direta de mais doses da vacina Pfizer contra a covid-19

Luci Ribeiro e Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

06 de maio de 2021 | 18h06

BRASÍLIA - O Ministério da Saúde publicou nesta quinta-feira, 6, extrato de dispensa de licitação que viabiliza a compra direta de doses da vacina da Pfizer contra a covid-19. O documento informa que o valor global do contrato é de R$ 6,6 bilhões, mas não cita a quantidade de doses do imunizante a ser adquirida. O Estadão/Broadcast apurou, no entanto, que esse valor permitirá a compra de aproximadamente mais 100 milhões de doses da vacina – além das 100 milhões já acertados –, em um contrato que o governo espera fechar ainda nesta semana.

O extrato foi publicado na tarde desta quinta, em  edição extra do Diário Oficial da União (DOU). Será publicada, ainda, uma medida provisória com a abertura de crédito extraordinário para a compra da vacina, o último trâmite burocrático para a assinatura do contrato com a Pfizer. A expectativa do governo é que as primeiras doses desse novo contrato cheguem no segundo semestre.

Mais cedo, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse à CPI da Covid do Senado que a pasta está em fase de "finalização" de contrato para a compra de mais de 100 milhões de doses da vacina contra covid da Pfizer. "Em relação à Pfizer, foi feito um contrato de 100 milhões de doses (...) e nós conseguimos uma antecipação dessas doses. Estamos aqui, já adianto, na iminência de fechar um novo acordo com a Pfizer, de 100 milhões de doses. Isso já está só nas finalizações legais, o que seria um aporte adicional muito importante para o nosso programa de vacinação", afirmou Queiroga.

No último dia 29, o primeiro lote de vacinas da Pfizer chegou ao País, com 1 milhão de doses. Segundo o Ministério da Saúde, a remessa faz parte do primeiro acordo firmado entre a pasta e a farmacêutica, em 19 de março, totalizando 100 milhões de doses até o fim do terceiro trimestre deste ano. O Estadão revelou que, anteriormente, o ministério havia divulgado número inflado de vacinas já contratadas.

O imunizante da Pfizer tem registro concedido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), para uso definitivo. Pode ser aplicado em pessoas a partir de 16 anos, em duas doses, com intervalo de 21 dias entre elas. No Brasil, porém, esse intervalo deverá ser de 90 dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.